Private


    A dança dos dragões

    Compartilhe

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:03 pm

    oscilante. Estava ensopado, dolorido e descomposto, perturbado pelo desgosto e a traição, e mortalmente farto de tempestades. O senhor limpou a boca com as costas da mão e pegou na fita para observar mais de perto. Um relâmpago brilhou lá fora, fazendo as seteiras cintilar azuis e brancas durante meio segundo. Um, dois, três, quatro, contou Davos, antes de chegar o trovão. Quando se silenciou, pôs-se à escuta do gotejar da água e do rugido mais indistinto sob os seus pés, onde as ondas se esmagavam contra os enormes arcos de pedra de Quebrágua e rodopiavam através das suas masmorras. Podia perfeitamente acabar lá em baixo, acorrentado a um úmido chão de pedra e deixado para se afogar quando a maré invadisse a masmorra. Não, tentou dizer a si, um contrabandista podia morrer assim, mas um Mão do Rei não. Valho mais se ele me vender à sua rainha. O senhor passou os dedos pela fita, franzindo o semblante aos selos. Era um homem feio, grande e carnudo, com os ombros espessos de um remador e sem pescoço. Barba por fazer, irregular e grisalha, cobria-lhe as bochechas e o queixo, com manchas onde crescia branca. Por cima de uma testa maciça, era calvo. O nariz era grumoso e tornado vermelho por veias rotas, os labios eram grossos, e tinha uma espécie de membrana entre os três dedos intermediarios da mão direita. Davos ouvira dizer que alguns dos senhores das Três Irmãs tinham mãos e pés membranosos, mas sempre encarara a história como mais um relato de marinheiros. O senhor recostou-se. — Cortem as cordas — disse — e descalçem essas luvas. Quero ver suas mãos. O capitão fez o que lhe era dito. Quando puxou para cima a mutilada mão esquerda do cativo, o relâmpago voltou a brilhar, derramando a sombra dos dedos encurtados de Davos Seaworth sobre a cara rude e brutal de Godric Borrell, Senhor de Irmã Doce. — Qualquer homem pode roubar uma fita — disse o senhor — mas esses dedos não mentem. — É o cavaleiro das cebolas. — Chamam-me disso, senhor. — O próprio Davos era senhor, e já era cavaleiro há muitos anos, mas no seu íntimo continuava a ser o que sempre fora, um contrabandista de nascimento plebeu que comprara o grau de cavaleiro com um porão de cebolas e peixe salgado. — Também me chamam de coisas piores. — Pois sim. Traidor. Rebelde. Vira-casaca. Irritou-se com a última palavra.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:03 pm

    — Nunca virei à casaca, senhor. Sou um homem do rei. — Só se Stannis for um rei. — O senhor avaliou-o com duros olhos negros. — A maioria dos cavaleiros que desembarcam nas minhas costas procura-me no meu palácio, não na Barriga da Baleia. Vil covil de contrabandistas, esse. Está regressando ao seu antigo ofício, cavaleiro das cebolas? — Não, senhor. Procurava passagem para Porto Branco. O rei enviou-me, com uma mensagem para o senhor da cidade. — Então está no lugar errado com o senhor errado. — O Lorde Godric pareceu divertido. — Isto é Vilirmãs, na Irmã Doce. — Eu sei que é. — Nada havia de doce em Vilirmãs, porém. Era uma vila maligna, uma pocilga, pequena, má e fétida dos odores a caca de porco e peixe podre. Davos lembrava-se bem dela dos seus dias de contrabandista. As Três Irmãs eram pouso favorito para contrabandistas há centenas de anos, e antes disso tinham sido um ninho de piratas. As ruas de Vilirmãs eram lama e tábuas, as suas casas eram cabanas de taipa com telhados de palha, e junto do Portão da Forca havia sempre enforcados com as entranhas pendentes. — Tem amigos aqui, não duvido — disse o senhor. — Todos os contrabandistas têm amigos nas Irmãs. Alguns deles são também meus amigos. Aqueles que não são, enforco-os. Deixo-os sufocar lentamente, com as tripas batendo nos joelhos. — O salão voltou a iluminar-se quando um relâmpago brilhou nas janelas. Dois segundos mais tarde, chegou o trovão. — Se é Porto Branco que quer, porque você está em Vilirmãs? O que te trouxe aqui? Uma ordem de um rei e uma traição de um amigo, podia ter dito Davos. Em vez disso, respondeu: — Tempestades. Vinte e nove navios tinham zarpado da Muralha. Se metade deles continuassem flutuando, Davos se sentiria chocado. Céus negros, ventos amargos e chuvas cortantes tinham os perseguido ao longo de toda a costa. As galés Oledo e Filho da Velha Mãe tinham sido atiradas contra os rochedos de Skagos, a ilha de unicórnios e canibais onde até o Bastardo Cego temera acostar; a grande coca Saathos Saan fora a pique ao largo dos Penhascos Cinzentos. — Stannis pagará por elas — enfurecera-se Salladhor Saan. — Pagará por elas com bom ouro, por cada uma. — Era como se algum deus furioso estivesse reclamando o pagamento da viagem fácil que tinham tido para norte, empurrado por um vento constante de sul desde Pedra do Dragão até à Muralha.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:03 pm

    Outra tormenta rasgara o velame da Farta Colheita, forçando Salla a rebocá-la. Dez léguas ao norte da Atalaia da Viúva os mares tinham voltado a encapelar-se, atirando a Colheita contra uma das galés que a rebocava e afundando-as a ambas. O resto da frota lisena fora espalhada pelo mar estreito. Alguns dos navios acabariam por ir dar a um ou outro porto. Outros nunca mais seriam vistos. — Salladhor, o Pedinte, foi isso o que o seu rei fez de mim — queixara-se Salladhor Saan a Davos quando os restos da sua frota atravessaram coxeando a Dentada. — Salladhor, o Esmagado. Onde estão os meus navios? E o meu ouro, onde está todo o ouro que me foi prometido? — quando Davos tentara assegurar-lhe que obteria o seu pagamento, Salla explodira. — Quando, quando? Amanhã, na lua nova, quando o cometa vermelho voltar? Ele está prometendo-me ouro e pedras preciosas, sempre prometendo, mas o seu ouro eu não vi. Tenho a palavra dele, diz ele, oh, sim, a sua régia palavra, ele escreve-a. Será que Salladhor Saan pode comer a palavra do rei? Pode matar a sede com pergaminhos e selos de cera? Pode atirar promessas para uma cama de penas e fodê-las até guincharem? Davos tentara persuadi-lo a manter-se fiel. Fizera notar que se Salla abandonasse Stannis e a sua causa, abandonava todas as esperanças de receber o ouro que lhe era devido. Afinal de contas, não era provável que um Rei Tommen vitorioso pagasse as dívidas do seu tio derrotado. A única esperança de Salla era permanecer leal a Stannis Baratheon até este conquistar o Trono de Ferro. De outro modo, nunca veria um tostão do seu dinheiro. Tinha de ter paciência. Talvez algum lorde com mel na língua pudesse ter feito o príncipe pirata liseno mudar de ideia, mas Davos era um cavaleiro de cebolas e as suas palavras só tinham levado Salla a nova indignação. — Em Pedra do Dragão tive paciência — dissera — quando a mulher vermelha queimou deuses de madeira e homens aos gritos. Ao longo de todo o caminho até à Muralha, tive paciência. Em Atalaialeste, tive paciência e frio, tanto frio. Bah, digo eu. Bah para a tua paciência, e bah para o seu rei. Os meus homens têm fome. Estão desejando voltar a foder as mulheres, contar os filhos, ver os Degraus e os jardins de prazer de Lys. Gelo e tempestades e promessas vazias, isto não estão desejando. Este norte é frio demais, e está ficando mais frio. Eu sabia que este dia chegaria, pensou Davos. Gostava do velho patife, mas nunca fui suficientemente tolo para confiar nele.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:03 pm

    — Tempestades. — O Lorde Godric pronunciou a palavra com tanto carinho como outro homem poderia pronunciar o nome da sua amante. — As tempestades já eram sagradas nas Irmãs antes da chegada dos ândalos. Os nossos deuses de antigamente eram a Senhora das Ondas e o Senhor dos Céus. Faziam tempestades sempre que acasalavam. — Inclinou-se para frente. — Esses reis nunca se incomodam com as Irmãs. Porque haveriam de se incomodar? Somos pequenos e pobres. E, no entanto, está aqui. Entregue em minhas mãos pelas tempestades. Entregue a ti por um amigo, pensou Davos. O Lorde Godric virou-se para o seu capitão. — Deixa este homem comigo. Ele nunca esteve aqui. — Não, senhor. Nunca. — O capitão retirou-se, deixando com as botas molhadas pegadas úmidas no tapete. Por baixo do chão, o mar estava rumorejante e desassossegado, arremetendo contra os pés do castelo. A porta exterior fechou-se com um som que era como um trovão distante, e de novo surgiu o relâmpago, como que em resposta. — Senhor — disse Davos — se me enviar para Porto Branco, Sua Graça contaria tal ato como um ato de amizade. — Podia enviar-vos para Porto Branco — concedeu o senhor. — Ou então podia enviar-vos para qualquer inferno úmido e frio. Vilirmãs é inferno que chegue. Davos temeu o pior. As Três Irmãs eram umas cabras volúveis, leais apenas a si mesmas. Supostamente, estavam juramentadas aos Arryn do Vale, mas o domínio do Ninho de Águia sobre as ilhas era no máximo tênue. — Sunderland quereria que eu o entregasse, se soubesse de tí. — Os Borrell recebiam vassalagem da Irmã Doce, tal como os Longthorpe da Irmã Longa e os Torrent da Irmã Pequena; todos estavam juramentados a Triston Sunderland, o Senhor das Três Irmãs. — O venderia à rainha, por um pote daquele ouro Lannister. O pobre do homem precisa de cada dragão, com sete filhos todos decididos a serem cavaleiros. — O lorde pegou numa colher de pau e voltou a atacar o estufado. — Eu costumava amaldiçoar os deuses que só me deram filhas, até ouvir Triston lamentar o custo de cavalos de guerra. Ficaria surpreendido por saber quantos peixes são precisos para comprar um conjunto decente de armadura de placas de aço e cota de malha. — Eu também tive sete filhos, mas quatro estão queimados e mortos. — O Lorde Sunderland está juramentado ao Ninho de Águia — disse Davos. —

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:03 pm

    Pelo direito, devia entregar-me à Senhora Arryn. — Julgava que teria melhores hipóteses com ela do que com os Lannister. Embora não tivesse participado na Guerra dos Cinco Reis, Lysa Arryn era filha de Correrrio e tia do Jovem Lobo. — Lysa Arryn está morta — disse o Lorde Godric — assassinada por um cantor qualquer. Quem governa agora o vale é o Lorde Mindinho. Onde estão os piratas? — quando Davos não respondeu, deu uma pancada na mesa com a colher. — Os lisenos. O Torrent viu-lhes as velas da Irmã Pequena, e antes dele os Flint também as viram da Atalaia da Viúva. Velas cor de laranja, verdes e cor-de-rosa. Salladhor Saan. Onde está ele? — No mar. — Salla deveria estar velejando em volta dos Dedos e ao longo do mar estreito. Ia regressar aos Degraus com os poucos navios que lhe restavam. Talvez adquirisse mais alguns no caminho, se deparasse com mercadores promissores. Um pouco de pirataria para ajudar as léguas a passar. — Sua Graça mandou-o para sul, para incomodar os Lannister e os seus amigos. — A mentira tinha sido ensaiada, enquanto remava através da chuva na direção de Vilirmãs. Mais tarde ou mais cedo, o mundo ficaria sabendo que Salladhor Saan abandonara Stannis Baratheon, deixando-o sem frota, mas não o ouviria dos lábios de Davos Seaworth. O Lorde Godric mexeu o estofado. — Esse velho pirata do Saan o obrigou a nadar até à costa? — Vim para terra num bote, senhor. — Salla esperara até que o feixe da Lâmpada da Noite brilhasse a bombordo da proa da Valiriana antes de o pôr fora do navio. A amizade entre ambos, pelo menos, valera isso. Reconhecia que o liseno o teria levado de bom grado para sul com ele, mas Davos recusara. Stannis precisava de Wyman Manderly, e confiara nele para conquistá-lo. Dissera a Salla que não trairia essa confiança. — Bah — respondera o príncipe pirata — ele vai matar-te com essas honrarias, velho amigo. Ele vai matar-te. — Nunca antes tinha tido um Mão do Rei debaixo do meu teto — disse Lorde Godric. — Me pergunto se Stannis o resgataria. Resgataria? Stannis dera a Davos terras, títulos e cargos, mas pagaria bom ouro para comprar a sua vida de volta? Ele não tem ouro. Se tivesse ainda teria o Salla. — Encontrará Sua Graça em Castelo Negro, se quiser lhe perguntar isso.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:04 pm

    Borrell soltou um grunhido. — O Duende também está em Castelo Negro? — O Duende? — Davos não compreendeu a pergunta. — O Duende está em Porto Real, condenado a morrer pelo assassinato do sobrinho. — O meu pai costumava dizer que a Muralha é a última a saber. O anão fugiu. Enfiou-se por entre as barras da sua cela e rasgou o pai em pedaços com as mãos nuas. Um guarda o viu fugir, vermelho dos pés à cabeça, como se tivesse tomado banho em sangue. A rainha fará um senhor de qualquer homem que o mate. Davos lutou por acreditar naquilo que estava ouvindo. — Está a me dizer que Tywin Lannister está morto?
    — Está me dizendo que Tywin Lannister está morto?
    — Pelas mãos do filho, pois sim. — O senhor bebeu um gole de cerveja. — Quando havia reis nas Irmãs não tolerávamos que anões sobrevivessem. Atirávamo-los todos ao mar, como oferenda aos deuses. Os septões nos fizeram parar com isso. Uma matilha de idiotas piedosos. Porque haveriam os deuses de dar uma tal forma a um homem, se não fosse para o identificar como monstro?
    O Lorde Tywin morto. Isto muda tudo.
    — Senhor, me dá licença para enviar um corvo para a Muralha? Sua Graça vai querer saber da morte do Lorde Tywin.
    — Ele saberá. Mas não por mim. Nem por você, enquanto estiver aqui debaixo do meu telhado esburacado. Não quero que se diga que dei a Stannis ajuda e conselhos. Os Sunderland arrastaram as Irmãs para duas das rebeliões Blackfyre, e todos sofremos bastante com isso. — O Lorde Godric indicou uma cadeira com um aceno de colher. — Sente-se. Antes que caia, sor. O meu salão é frio, úmido e escuro, mas não é desprovido de alguma cortesia. Arranjaremos roupa seca, mas primeiro comerá. — Soltou um grito e uma mulher entrou no salão. — Temos um hóspede para alimentar. Traz cerveja, pão e estufado das irmãs.
    A cerveja era castanha, o pão preto, o estufado de um branco cremoso. Ela serviu-o num trincho aberto num pão duro. Estava carregado de alho-poró, cenoura, cevada e nabos brancos e amarelos, bem como amêdoas e pedaços de bacalhau e polpa de caranguejo, nadando num caldo de creme e manteiga. Era a espécie de estufado que aquecia um homem até aos ossos, precisamente a coisa certa para uma noite úmida e fria. Davos emborcou-o, sentindo-se grato.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:04 pm

    — Já tínha provado estufado das irmãs?
    — Já, senhor. — O mesmo estufado era servido em todas as Três Irmãs, em todas as estalagens e tabernas.
    — Isto é melhor do que o que comera antes. É a Gella que o faz. A filha da minha filha. É casado, cavaleiro da cebola?
    — Sou, senhor.
    — Uma pena. A Gella não é. As mulheres modestas dão as melhores esposas. Há aí três tipos de caranguejo. Caranguejos vermelhos, caranguejos-aranhas e conquistadores. Eu não como aranhas exceto no estufado das irmãs. Faz com que me sinta meio canibal. — Sua senhoria indicou com um gesto o estandarte que pendia por cima da lareira fria e negra. Um caranguejo-aranha estava aí bordado, branco num campo de verde acinzentado. — Ouvimos histórias sobre Stannis ter queimado o seu Mão.
    — O Mão que me antecedeu. Melisandre entregara Alester Florent ao seu deus em Pedra do Dragão, a fim de conjurar o vento que os levara para norte. O Lorde Florent mantivera-se forte e silencioso enquanto os homens da rainha o atavam ao poste, mostrando tanta dignidade como qualquer homem seminu podia esperar mostrar, mas quando as chamas lhe lamberam as pernas começara a gritar, e os seus gritos tinham-nos levado ao longo de todo o caminho até Ataialeste-do-Mar, crendo no que a mulher vermelha dizia. Davos não gostara daquele vento. Parecera-lhe cheirar a carne queimada, e o seu som era angustiado enquanto brincava no cordame. Podia com igual facilidade ter sido eu.
    — Não ardi — assegurou ao Lorde Godric — embora Atalaialeste quase me tenha congelado.
    — A Muralha faz dessas coisas. — A mulher trouxe-lhes mais um pão, ainda quente do forno. Quando Davos viu a mão dela, ficou olhando. Isso não passou despercebido ao Lorde Godric. — Pois, ela tem a marca. Como todos os Borrell, desde há cinco mil anos. Filha da minha filha. Não aquela que faz o estufado. — Partiu o pão ao meio e ofereceu metade a Davos. — Coma. É bom.
    E era, embora qualquer côdea bolorenta tivesse descido igualmente bem a Davos; significava que era ali um hóspede, pelo menos por aquela noite. Os senhores das Três Irmãs tinham uma reputação negra, e nenhum a tinha pior do que Godric Borrell, Senhor da Irmã Doce, Escudo de Vilirmãs, Mestre do Castelo de Quebrágua e Guardião da Lâmpada da Noite... Mas mesmo senhores ladrões e causadores de naufrágios estavam sujeitos às antigas leis da

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:04 pm

    hospitalidade. Pelo menos verei a alvorada, disse Davos a si. Comi do seu pão e sal.
    Embora houvesse temperos mais estranhos do que sal naquele estufado das irmãs.
    — Isto que estou saboreando é açafrão? — açafrão valia mais do que ouro. Davos só provara tal coisa uma vez, quando o Rei Robert lhe mandara meio peixe num banquete em Pedra do Dragão.
    — É. De Qarth. E também há pimenta. — O Lorde Godric recolheu uma pitada entre o polegar e o indicador e espalhou-a pelo seu trincho. — Pimenta preta de primeira vinda de Volantis, não há nada melhor. Use toda a que quiser, se você estiver se sentindo apimentado. Tenho quarenta arcas dela. Já para não falar de cravinho e noz-moscada e uma libra de açafrão. Tirei-a de uma donzela de olhos amendoados. — Riu-se. Davos viu que o outro ainda tinha todos os seus dentes, embora a maioria fosse amarelos e um no maxilar superior estivesse negro e morto. — Dirigia-se a Bravos, mas uma tormenta atirou-a para a Dentada e baseu contra umas das minhas rochas. Portanto, como vê, não sou o único presente que as tempestades me trouxeram. O mar é coisa traiçoeira e cruel.
    Não tão traiçoeiro como os homens, pensou Davos. Os antepassados do Lorde Godric tinham sido reis piratas até que os Stark tinham caído sobre eles com fogo e espada. Nos dias que corriam, os homens das irmãs deixavam a pirataria descarada para Salladhor Saan e os da sua laia e limitavam-se a causar naufrágios. Os faróis que ardiam ao longo das costas das Três Irmãs destinavam-se a avisar contra baixios, recifes e rochedos e a indicar o caminho para a segurança, mas em noites tempestuosas e de nevoeiro os homens das Irmãs usavam falsas luzes para atrair capitães incautos para a desgraça.
    — As tempestades fizera-nos um favor, soprando-o para a minha porta — disse o Lorde Godric.
    — Encontraria umas frias boas-vindas em Porto Branco. Chegastes tarde demais, sor. O Lorde Wyman pretende dobrar o joelho, e não a Stannis. — Bebeu um gole de cerveja. — Os Manderly não são nortenhos, no fundo não o são. Não foi há mais de novecentos anos que vieram para norte, carregados com todo o seu ouro e os seus deuses. Tinham sido grandes senhores no Vago até terem excedido e as mãos verdes os terem posto no lugar. O rei dos lobos ficou-lhes com o ouro, mas deu-lhes terras e deixou-os ficar com os seus deuses. — Mergulhou um bocado de pão no estufado. — Se Stannis julga que o gordo vai

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:04 pm

    montar o veado, engana-se. O Leostrela aportou a Vil irmãs há doze dias, para encher os barris de água. Conhece o navio? Velas carmesim e um leão dourado à proa. E cheio de Freys, a caminho de Porto Branco.
    — Freys? — aquela era a última coisa que Davos teria esperado. — Ouvimos dizer que os Frey mataram o filho do Lorde Wyman.
    — Pois — disse o Lorde Godric — e o gordo ficou tão furioso que jurou viver de pão e vinho até ter a sua vingança. Mas antes de o dia chegar ao fim estava outra vez enfiando amêijoas e bolos na boca. Há sempre navios navegando entre as Irmãs e Porto Branco. Nós vendemos-lhes caranguejos, peixe e queijo de cabra, eles vendem-nos madeira, lã e peles. Segundo o que tenho ouvido, sua senhoria está mais gorda do que nunca. Lá se foi o juramento. As palavras são vento, e o vento vindo da boca de Manderly não tem mais significado do que aquele que se lhe escapa do traseiro. — O lorde partiu mais um bocado de pão para limpar o fundo ao trincho. — Os Frey estavam levando ao idiota do gordo um saco de ossos. Alguns chamam a isso cortesia, trazer a um homem os ossos do filho morto. Se tivesse sido o meu filho, eu teria devolvido a cortesia e agradecido aos Frey antes de enforcá-los, mas o gordo é nobre demais para isso. — Enfiou o pão na boca, mastigou, engoliu. — Eu recebi os Frey ao jantar. Um sentou-se mesmo aí onde está sentado. Rhaegar, chamou ele a si. Quase ri na cara dele. Que tinha perdido a mulher, disse o homem, mas pretendia arranjar uma nova em Porto Branco. Corvos tinham andado voando de um lado para o outro. O Lorde Wyman e o Lorde Walder fizeram um pacto, e pretendem selá-lo com um casamento.
    Davos sentiu-se como se o lorde o tivesse esmurrado na barriga. Se o que ele diz é verdade, o meu rei está perdido. Stannis Baratheon tinha uma necessidade desesperada de Porto Branco. Se Winterfell era o coração do norte, Porto Branco era a sua boca. O seu estuário permanecera livre de gelo, mesmo nas profundezas do inverno, durante séculos. Com o inverno chegando, isso podia ter um significado enorme. E a prata da cidade também. Os Lannister tinham todo o ouro de Rochedo Casterly, e tinham-se casado com a riqueza de Jardim de Cima. Os cofres do Rei Stannis estavam esgotados. Tenho de tentar; pelo menos. Pode haver alguma maneira de impedir este casamento.
    — Tenho de chegar a Porto Branco — disse. — Senhor, suplico-lhe, ajude-me.
    O Lorde Godric começou a comer o trincho, partindo-o com as grandes mãos. O estufado amolecera o pão duro.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:04 pm

    — Não sinto amor nenhum por nortenhos — anunciou. — Os meistres dizem que a Violação das Três Irmãs foi há mil anos, mas Vilirmãs não esqueceu. Antes disso éramos um povo livre, com os nossos reis a nos governar. Depois, tivemos de dobrar os joelhos ao Ninho de Águia para expulsar os nortenhos. O lobo e o falcão levaram mil anos lutando por nós até, entre os dois, terem roído toda a gordura e a carne de cima dos ossos destas pobres ilhas. Quanto ao seu Rei Stannis, quando foi mestre dos navios de Robert enviou uma frota para o meu porto sem a minha licença, e obrigou-me a enforcar uma dúzia de bons amigos. Homens como você. Chegou ao ponto de ameaçar enforcar a mim se encalhasse algum navio à costa por a Lâmpada da Noite se ter apagado. Tive de engolir a arrogância dele. — Comeu um pouco do trincho. — Agora vem para norte rebaixado, com o rabo entre as pernas. Porque haveria de lhe prestar alguma assistência? Respondei-me a isto.
    Porque é o seu legítimo rei, pensou Davos. Porque é um homem forte e justo; o único homem que pode recuperar o reino e defendê-lo contra o perigo que se reúne a norte. Porque tem uma espada mágica que brilha com a luz do sol. As palavras ficaram-lhe presas na garganta. Nenhuma delas faria o Senhor da Irmã Doce mudar de idéia. Nenhuma o colocaria dez centímetros mais próximo de Porto Branco. Que resposta quer ele? Terei de lhe prometer ouro que não temos? Um marido bem nascido para a filha da filha? Terras, honrarias, títulos? O Lorde Alester Florent tentara jogar esse jogo, e o rei queimara-o por isso.
    — A Mão perdeu a língua, parece. Ou não gosta do estufado das irmãs ou da verdade. — O Lorde Godric limpou a boca.
    — O leão está morto — disse Davos, lentamente. — Aí tem a sua verdade, senhor. Tywin Lannister está morto.
    — E se estiver?
    — Quem governa agora em Porto Real? Tommen não é, ele não passa de uma criança. É Sor Kevan?
    A luz das velas cintilou nos olhos negros do Lorde Godric.
    — Se fosse, estaria acorrentado. Quem governa é a rainha.
    Davos compreendeu. Ele alimenta dúvidas. Não quer dar por si do lado perdedor.
    — Stannis defendeu Ponta Tempestade contra os Tyrell e os Redwyne. Tomou Pedra do Dragão aos últimos Targaryen. Esmagou a Frota de Ferro ao largo da Ilha Bela. Esta criança rei não prevalecerá contra ele.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:04 pm

    — Esta criança rei controla a riqueza do Rochedo Casterly e o poder de Jardim de Cima. Tem os Bolton e os Frey. — O Lorde Godric esfregou o queixo. — Mesmo assim... Neste mundo só o inverno é certo. Ned Stark disse isso ao meu pai, precisamente aqui neste salão.
    — Ned Stark esteve aqui?
    — Na aurora da Rebelião de Robert. O Rei Louco tinha enviado uma mensagem ao Ninho de Águia exigindo a cabeça do Stark, mas Jon Arryn enviou-lhe o desafio em resposta. Mas Vila Gaivota permaneceu leal ao trono. Para chegar a casa e convocar os vassalos, o Stark teve de atravessar as montanhas até aos Dedos e arranjar um pescador que o levasse para o outro lado da Dentada. Uma tempestade apanhou-os no caminho. O pescador afogou-se, mas a filha fez o Stark chegar às Irmãs antes de o barco ir ao fundo. Diz-se que ele a deixou com um saco de prata e um bastardo na barriga. A moça chamou-lhe Jon Snow, em homenagem ao Arryn.
    — Mas adiante. O meu pai estava sentado onde eu estou agora quando o Lorde Eddard veio a Vilirmãs. O nosso meistre incentivou-nos a enviar a Aerys a cabeça do Stark, para provar a nossa lealdade. Isso teria implicado uma rica recompensa. O Rei Louco era generoso com aqueles que lhe agradavam. Mas por essa altura já sabíamos que Jon Arryn tinha tomado Vila Gaivotas. Robert foi o primeiro homem a ultrapassar a muralha, e matou Marq Grafton com as próprias mãos. Este Baratheon é destemido, disse eu. Combate como um rei deve combater. O nosso meistre riu-se de mim e disse-nos que o Príncipe Rhaegar ia com certeza derrotar aquele rebelde. Foi então que o Stark disse: Neste mundo só o inverno é certo. Podemos perder as cabeças, é verdade... Mas e se prevalecermos? O meu pai mandou-o embora ainda com a cabeça sobre os ombros. Se perderdes, disse ao Lorde Eddard, Nunca estiveste aqui.
    —Tal como eu nunca estive — disse Davos Seaworth.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:05 pm

    Jon 163


    Trouxeram o Rei-para-lá-da-Muralha com as mãos atadas por corda de câ-nhamo e um laço em volta do pescoço.
    A outra ponta da corda estava enrolada em volta do grande arção da sela do corcel de Sor Godry Farring. Mata-Gigantes e a sua montaria estavam couraçados de aço prateado com embutidos de nigelo. Mance Rayder usava apenas uma túnica fina que lhe deixava os membros expostos ao frio. Podiam ter deixado que ficasse com o manto, pensou Jon Snow, aquele que a mulher selvagem remendou com faixas de seda carmesim.
    Pouco admirava que a Muralha estivesse chorando.
    — Mance conhece melhor a floresta assombrada do que qualquer patrulheiro — disse Jon ao Rei Stannis, num último esforço para convencer Sua Graça de que o Rei-para-lá-da-Muralha lhes seria mais útil vivo do que morto. — Ele conhece Tormund Terror dos Gigantes. Combaseu os Outros. E tinha o Corno de Joramun e não o soprou. Não derrubou a Muralha quando podia tê-lo feito.
    As suas palavras caíram em orelhas moucas. Stannis permanecera inabalável. A lei era simples; a vida de um desertor estava perdida.
    Por baixo da Muralha chorosa, a Senhora Melisandre ergueu as pálidas mãos brancas. — Todos temos de escolher — proclamou. — Homem ou mulher, jovem ou velho, senhor ou camponês, as nossas escolhas são as mesmas. — A voz dela fazia Jon Snow pensar em anis, noz-moscada e cravinho. Estava ao lado do rei em cima de um patíbulo de madeira erguido acima do fosso. — Ou escolhemos a luz ou escolhemos a escuridão. Ou escolhemos o bem ou escolhemos o mal. Ou escolhemos o deus verdadeiro ou o falso.
    O espesso cabelo castanho-acinzentado de Mance Rayder soprou em volta do rosto enquanto caminhava. Afastou-o dos olhos com ambas as mãos, sorrindo. Mas quando viu a gaiola, a coragem falhou-lhe. Os homens da rainha tinham-na feito com as árvores da floresta assombrada, com árvores jovens e ramos flexíveis, com galhos de pinheiro pegajosos de seiva, e com os dedos brancos como ossos dos represeiros. Tinham-nos dobrado e torcido em volta e através uns dos outros a fim de tecer um gradeado de madeira, e depois tinham-

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:05 pm

    no pendurado bem alto por cima de um profundo fosso cheio de madeiros, folhas e gravetos.
    O rei selvagem recuou ao ver aquilo. — Não — gritou — misericórdia. Isto não está certo, eu não sou o rei, eles...
    Sor Godry deu um puxão à corda. O Rei-para-lá-da-Muralha não teve alternativa a não ser tropeçar atrás dele, com a corda estrangulando-lhe as palavras. Quando perdeu o apoio dos pés, Godry o arrastou pelo resto do caminho. Mance estava ensanguentado quando os homens da rainha o enfiaram na gaiola, em parte empurrando-o, em parte carregando com ele. Uma dúzia de homens-de-armas esforçou-se para içá-lo no ar.
    A Senhora Melisandre viu-o subir. — POVO LIVRE! Aqui está o seu rei de mentiras. E aqui está o corno que ele promeseu que derrubaria a Muralha. — Dois dos homens da rainha apresentaram o Corno de Joramun, negro e reforçado com ouro antigo, com dois metros e meio de ponta a ponta. Estavam esculpidas runas nas faixas de ouro, a escrita dos Primeiros Homens. Joramun morrera havia milhares de anos, mas Mance encontrara a sua sepultura sob um glaciar, no alto dos Colmilhos de Gelo. E Joramun soprou o Corno do Inverno e despertou gigantes da terra. Ygritte dissera a Jon que Mance não chegara a encontrar o corno. Ela mentiu, ou então Mance manteve o fato em segredo mesmo para com os seus.
    Mil cativos observaram através das barras de madeira da paliçada quando o corno foi erguido bem alto. Todos estavam esfarrapados e meio mortos de fome. Selvagens eram como os Sete Reinos lhes chamavam; eles chamavam a si próprios o povo livre. Não pareciam nem selvagens nem livres; só esfomeados, assustados, entorpecidos.
    — O Corno de Joramun? — disse Melisandre. — Não. Chame-lhe o Corno das Trevas. Se a Muralha cair, a noite também cai, a longa noite que nunca termina. Isso não pode acontecer, não irá acontecer! O Senhor da Luz viu os seus filhos em perigo e enviou-lhes um campeão, Azor Ahai renascido. — Apontou com uma mão para Stannis e o grande rubi que trazia à garganta pulsou de luz. Ele é pedra e ela é fogo. Os olhos do rei eram pisaduras azuis, profundamente afundadas numa cara encovada. Usava placa de aço cinzenta, com um manto de pano de ouro forrado de peles a escorrer dos largos ombros. A placa de peito tinha um coração flamejante embutido por cima do seu. Cingindo-lhe a testa encontrava-se uma coroa de ouro avermelhado com pontas que eram

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:05 pm

    como chamas retorcidas. Val estava a seu lado, alta e bonita. Tinham-na coroado com um simples aro de bronze escuro, mas a mulher parecia mais régia com bronze do que Stannis com ouro. Os seus olhos eram cinzentos e destemidos, firmes. Sob um manto de arminho, usava branco e dourado. O cabelo louro como mel tinha sido preso numa grossa trança que lhe pendia por cima do ombro e descia até à cintura. O frio do ar pusera-lhe cor nas bochechas.
    A Senhora Melisandre não usava coroa, mas todos os homens ali presentes sabiam que era a verdadeira rainha de Stannis Baratheon, em vez da feia mulher que ele deixara tremendo em Atalaialeste-do-Mar. Segundo se dizia, o rei não pretendia mandar buscar a Rainha Selyse e a filha de ambos até que Fortenoite ficasse pronto a habitar. Jon sentiu pena delas. A Muralha oferecia poucos dos confortos a que as senhoras do sul e as meninas bem nascidas estavam acostumadas, e Fortenoite não oferecia nenhum. Esse era um lugar sombrio, mesmo no melhor dos tempos. — POVO LIVRE! — gritou Melisandre. — Contemple o destino daqueles que escolhem as trevas!
    O Corno de Joramun rebentou em chamas. Incendiou-se com um uuuch quando línguas rodopiantes de fogo verde e amarelo saltaram crepitando ao longo de todo o seu comprimento. O garrano de Jon recuou nervosamente, e ao longo das fileiras outros lutaram também por acalmar as montadas. Um gemido ergueu-se da paliçada quando o povo livre viu a sua esperança em chamas. Alguns começaram a gritar e a praguejar, mas a maioria ficou em silêncio. Durante meio segundo as runas gravadas nas faixas de ouro pareceram brilhar no ar. Os homens da rainha deram um balanço e atiraram o corno, rodopiando, para dentro do fosso.
    Dentro da gaiola, Mance Rayder esgatanhou o laço em volta da gar-ganta com as mãos atadas e soltou gritos incoerentes sobre traições e bruxarias, negando a sua condição de rei, renegando o seu povo, negando o seu nome, renegando tudo o que alguma vez fora. Guinchou por misericórdia, amaldiçoou a mulher vermelha e desatou a rir histericamente.
    Jon observou sem pestanejar. Não se atrevia a parecer muito escrupuloso perante os seus irmãos. Ordenara a saída de duzentos homens, mais de metade da guarnição de Castelo Negro. Montados em solenes fileiras de negro com grandes lanças nas mãos, tinham erguido os capuzes para ocultar os rostos... E esconder o fato de tantos deles serem homens grisalhos ou inexperientes. O

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:05 pm

    povo livre temia a Patrulha. Jon queria que levassem com eles esse medo para os seus novos lares a sul da Muralha.
    O corno colidiu com o madeiramento, as folhas e os gravetos. Três segundos depois, todo o fosso estava em chamas. Agarrando-se às barras da gaiola com ambas as mãos, Mance soluçou e suplicou. Quando o fogo o atingiu fez uma pequena dança. Os seus gritos transformaram-se num longo guincho inarticulado de medo e dor. Esvoaçou no interior da sua gaiola como uma folha incendiada, uma traça apanhada na chama de uma vela.
    Jon deu por si a se lembrar de uma canção.
    "Irmãos, oh irmãos, os meus dias estão no fim,
    o dornês minha vida desfez,
    Mas que importa, não há homem que não tenha de morrer;
    e eu provei a mulher do dornês/"
    Val mantinha-se de pé na plataforma, tão imóvel como se tivesse sido esculpida em sal. Ela não irá chorar nem irá desviar o olhar. Jon perguntou-se o que Ygritte teria feito no seu lugar. Fortes são as mulheres. Deu por pensar em Sam e no Meistre Aemon, em Goiva e no bebê. Ela vai me amaldiçoar com o seu último fôlego, mas eu vi que não havia outra maneira. Atalaialeste relatara tempestades violentas no mar estreito. Queria mante-los a salvo. Terei em vez disso dado eles de comer aos caranguejos? Na noite anterior sonhara com Sam se afogando, com Ygritte morrendo com a sua seta nela espetada (a seta não foi sua, mas nos seus sonhos era sempre), com Goiva chorando lágrimas de sangue.
    Jon Snow viu o suficiente.
    — Agora — disse.
    O Ulmer da Mata Real espetou a lança no chão, pegou no arco que trazia a tiracolo e tirou da aljava uma seta negra. O Doce Donnel Hill atirou o capuz para trás para fazer o mesmo. Garth Greyfeather e o Ben Barbudo encaixaram setas, dobraram os arcos e largaram.
    Uma seta atingiu Mance Rayder no peito, uma na barriga, uma na garganta. A quarta espetou-se numa das barras de madeira da gaiola e estremeceu por um instante antes de pegar fogo. Os soluços de uma mulher ecoaram na Muralha quando o rei selvagem deslizou sem forças para o chão da gaiola, engrinaldado de fogo.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:05 pm

    — E agora a sua vigia está feita — murmurou Jon suavemente. Mance Rayder foi em tempos um homem da Patrulha da Noite, antes de trocar o manto negro por um manto cortado de brilhante seda vermelha.
    Em cima da plataforma, Stannis estava com o aspecto carrancudo. Jon recusou-se a olhá-lo nos olhos. O fundo da gaiola de madeira caíra, e as barras estavam se desfazendo. De todas as vezes que o fogo saltava para o alto, mais ramos se libertavam, vermelhos-cereja e negros.
    — O Senhor da Luz fez o Sol, a Lua e as estrelas para iluminar o nosso caminho e deu-nos o fogo para manter a noite afastada — disse Melisandre aos selvagens. — Ninguém pode suportar as suas chamas. — Ninguém pode suportar as suas chamas — ecoaram os homens da rainha.
    As vestes de profundo escarlate da mulher vermelha rodopiaram em volta dela, e o seu cabelo de cobre criou um halo em volta do rosto. Altas chamas amarelas dançaram das pontas dos seus dedos como garras. — POVO LIVRE! Os seus falsos deuses não podem ajuda-los. O seu falso corno só os trouxe morte, desespero, derrota... Mas aqui está o verdadeiro rei. CONTEMPLAI A SUA GLÓRIA!
    Stannis Baratheon puxou pela Luminífera.
    A espada brilhou rubra, amarela e laranja, viva de luz. Jon já antes vira o espetáculo... Mas não assim, nunca antes assim. A Luminífera era o sol feito aço. Quando Stannis ergueu a lâmina acima da cabeça, os homens tiveram de virar as cabeças para tapar os olhos. Cavalos assustaram-se, e um derrubou o cavaleiro. O incêndio no fosso pareceu encolher-se perante aquela tempestade de luz, como um cão pequeno a retrair-se perante outro maior. A própria Muralha tornou-se vermelha, rósea e laranja quando ondas de cor dançaram pelo gelo fora. É este o poder do sangue de um rei?
    — Westeros só tem um rei — disse Stannis. A sua voz ressoou, dura, sem nenhuma da música de Melisandre. — Com esta espada defendo os meus súditos e destruo aqueles que os ameaçam. Dobrem o joelho e prometo-lhes comida, terras e justiça. Ajoelhem e viverão. Ou então partam e morrerão. A escolha é sua. — Enfiou a Luminífera na bainha, e o mundo voltou a escurecer, como se o Sol se tivesse ocultado por trás de uma nuvem. — Abra os portões. — ABRA OS PORTÕES — berrou Sor Clayton Suggs, numa voz profunda como um corno de guerra.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:05 pm

    — ABRA OS PORTÕES — ecoou sor Corliss Penny, que comandava os guardas. — ABRA OS PORTÕES — gritaram os sargentos. Homens precipitaram-se para obedecer. Estacas aguçadas foram arrancadas do chão, tá-buas foram deitadas sobre profundas valas, e os portões da paliçada foram escancarados. Jon Snow ergueu a mão e baixou-a, e as suas fileiras negras afastaram-se para a esquerda e para a direita, abrindo um caminho até à Muralha, onde Edd Doloroso abriu o portão de ferro.
    — Venha — instigou Melisandre. — Venha para a luz... Ou fujam de volta para as trevas. No fosso por baixo dela, o fogo crepitava. — Se escolherem a vida, venha até mim.
    E vieram. Devagar a princípio, alguns coxeando ou apoiados nos companheiros, os cativos começaram a sair do seu curral toscamente construído. Se quiserem comer, venha até mim, pensou Jon. Se não quiserem morrer de frio ou à fome, submeteiem-se. Hesitante, desconfiado de alguma armadilha, o primeiro punhado de prisioneiros atravessou lentamente as tábuas e o anel de estacas, aproximando-se de Melisandre e da Muralha. Mais os seguiram quando viram que nenhum mal acontecera aos que avançaram primeiro. Depois mais, até se transformarem num fluxo contínuo. Homens da rainha, trajando jalecas tachonadas e com meios elmos nas cabeças, entregavam a todos os homens, mulheres e crianças que por eles passavam um bocado de represeiro branco: um pau, um ramo estilhaçado tão branco como osso quebrado, um ramo de folhas rubras como sangue. Um pouco dos deuses antigos para alimentar o novo. Jon flexionou os dedos da sua mão da espada.
    O calor vindo do fosso era palpável mesmo à distância; para os selvagens tinha de ser abrasador. Viu homens a encolherem-se quando se aproximaram das chamas, ouviu crianças chorando. Alguns viraram para a floresta. Viu uma mulher jovem partir aos tropeções com uma criança em cada mão. De poucos em poucos passos, olhava para trás para se assegurar de que ninguém vinha atrás dela, e quando se aproximou das árvores desatou a correr. Um homem grisalho pegou no ramo de represeiro que lhe deram e usou-o como arma, brandindo-o em volta até que os homens da rainha convergiram sobre ele com lanças. Os outros tiveram de rodear o seu corpo até Sor Corliss mandar atirá-lo à fogueira. Depois disso, foram mais os do povo livre que escolheram a floresta; um em dez, talvez.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:05 pm

    Mas a maioria veio. Atrás deles só havia o frio e a morte. Em frente havia esperança. Vieram, agarrando os seus bocados de madeira até chegar a altura de entregá-los às chamas. R'hllor era uma divindade ciumenta, sempre faminta. E assim o novo deus devorou o cadáver do antigo, e projetou gigantescas sombras de Stannis e Melisandre sobre a Muralha, negras contra os reflexos rubros no gelo.
    Sigorn foi o primeiro a ajoelhar perante o rei. O novo Magnar de Thenn era uma versão mais nova e mais baixa do pai; esguio, perdendo o cabelo, envergando grevas de bronze e uma camisa de couro com escamas de bronze nela cosidas. A seguir veio o Camisa de Chocalho numa estrepitosa armadura feita de ossos e couro fervido e com um crânio de gigante por elmo. Sob os ossos escondia-se uma criatura arruinada e desgraçada com dentes partidos e castanhos e um tom amarelado no branco dos olhos. Um homem pequeno, malicioso e traiçoeiro, tão estúpido como cruel. Jon não acreditava nem por um momento que ele cumprisse a palavra dada. Perguntou-se o que estaria Val sentindo enquanto o via ajoelhar, perdoado.
    Chefes menores seguiram-se. Dois chefes de clã dos homens de Cornopé, cujos pés eram negros e duros. Uma velha sábia, reverenciada pelos povos do Guadeleite. Um rapaz escanzelado de olhos escuros com doze anos, filho de Alíyn Mata-Corvos. Halleck, irmão de Harma Cabeça de Cão, com os porcos dela. Cada um ajoelhou perante o rei. Está frio demais para este espetáculo, pensou Jon. — O povo livre despreza ajoelhadores — Jon avisara Stannis. — Deixe-os manter o seu orgulho, e gostarão mais de tí. — Sua Graça não quis dar-lhe ouvidos. Dissera:
    — O que deles preciso é espadas, não beijos.
    Depois de se ajoelharem, os selvagens passaram a arrastar os pés pelas fileiras de irmãos negros na direção do portão. Jon destacara o Cavalo, o Cetim e meia dúzia de outros homens para levá-los através da Muralha com archotes. Do outro lado aguardavam-nos tigelas de sopa quente de cebola e bocados de pão preto com salsichas. E também roupa: mantos, bragas, botas, túnicas, boas luvas de couro. Dormiriam em pilhas de palha limpa, com fogos ardendo para manter afastado o frio da noite. Aquele rei não devia nada ao método. Mais cedo ou mais tarde, contudo, Tormund Terror de Gigantes voltaria a assaltar a Muralha, e Jon perguntava-se que lado escolheriam os novos súditos de Stannis quando essa

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:06 pm

    hora chegasse. Pode dar-lhes terras e misericórdia, mas o povo livre escolhe os seus próprios reis, e foi Mance que escolheram, não você.
    Bowen Marsh aproximou a montada da de Jon.
    — Este é um dia que nunca julguei ver. — O Senhor Intendente emagrecera visivelmente desde que sofrera um ferimento na cabeça na Ponte dos Crânios. Parte de uma orelha desaparecera. Já não se parece lá muito com uma romã, pensou Jon. Marsh disse: — Sangramos para travar os selvagens na Garganta. Bons homens foram alí mortos, amigos e irmãos. Para quê?
    — O reino amaldiçoará a todos nós por isto — declarou Sor Alliser Thorne, num tom venenoso. — Todos os homens honestos de Westeros vão virar a cabeça e cuspir quando se mencionar a Patrulha da Noite.
    Que sabes tu sobre homens honestos?
    — Silêncio nas fileiras. — Sor Alliser tornara-se mais discreto desde que Lorde Janos perdera a cabeça, mas a malícia ainda lá estava. Jon brincara com a ideia de lhe entregar o comando que Slynt recusara, mas queria o homem por perto. Sempre foi o mais perigoso dos dois. Em vez disso, despachara um intendente grisalho da Torre Sombria para assumir o comando em Guardagris.
    Esperava que as duas novas guarnições fizessem alguma diferença. A Patrulha pode fazer o povo livre sangrar; mas no fim de contas não podemos ter esperança de lhes pôr travas. Entregar Mance Rayder ao fogo não mudava a verdade desse fato. Continuamos a ser poucos demais e eles continuam a ser muitos, e sem patrulheiros estamos, na prática, cegos. Tenho de enviar homens lá para fora. Mas, se o fizer, regressarão?
    O túnel através da Muralha era estreito e retorcido, e muitos dos selvagens eram velhos ou estavam doentes ou feridos, de modo que o avanço era dolorosamente lento. Quando os últimos dobraram o joelho, a noite já caíra. O fogo no fosso ardia com pouca força, e a sombra do rei na Muralha encolhera até um quarto da sua anterior altura. Jon Snow conseguia ver a sua respiração no ar. Frio, pensou, e ficando mais frio. Este espetáculo de saltimbancos já durou tempo suficiente.
    Duas vintenas de cativos permaneciam junto da paliçada. Quatro gigantes estavam entre eles, criaturas monumentais e peludas com ombros inclinados, pernas tão grandes como troncos de árvore, e enormes pés chatos. Apesar de serem tão grandes, talvez ainda conseguissem atravessar a Muralha, mas um deles não queria abandonar o seu mamute e os outros não queriam deixá-lo. Os outros que permaneciam eram todos de estatura humana. Alguns estavam

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:06 pm

    mortos e alguns moribundos; mais eram familiares ou companheiros próximos daqueles, nada dispostos a abandoná-los mesmo que em troca de uma tigela de sopa de cebolas.
    Alguns tremendo, outros muito entorpecidos para tremer, escutaram quando a voz do rei ecoou na Muralha, trovejante.
    — São livres de partir — disse-lhes Stannis. — Conte ao seu povo o que testemunharam. Conte-lhes que viram o verdadeiro rei, e que são bem-vindos ao seu reino, desde que mantenham a paz. Se assim não for, é melhor que fujam ou se escondam. Não tolerarei mais ataques contra a minha Muralha. — Um reino, um deus} um rei! — gritou a Senhora Melisandre.
    Os homens da rainha repetiram o grito, batendo com os cabos das lanças nos escudos.
    —Um reino, um deus, um rei! STANNIS! STANNIS! UM REINO, UM DEUS, UM REI!
    Jon reparou que Val não se juntara ao cântico. Nem os irmãos da Patrulha da Noite. Durante o tumulto, os poucos selvagens que restavam dissolveram-se entre as árvores. Os gigantes foram os últimos a partir, dois montados sobre o dorso do mamute, os outros dois a pé. Só os mortos foram deixados para trás. Jon viu Stannis descer da plataforma, com Melisandre a seu lado. A sua sombra vermelha. Nunca sai do seu lado durante muito tempo. A guarda de honra do rei tomou posições à volta deles; Sor Godry, Sor Clayton e uma dúzia de outros cavaleiros, todos homens da rainha. O luar cintilou nas suas armaduras e o vento sacudiu-lhes os mantos.
    — Senhor Intendente — disse Jon a Marsh — quebre aquela paliçada, use-a para lenha e atire os cadáveres às chamas.
    — Às ordens, senhor. — Marsh ladrou ordens, e um enxame dos seus intendentes abandonou as fileiras para atacar as muralhas de madeira. O Senhor Intendente observou-os, franzindo o semblante. — Aqueles selvagens... acha que vão cumprir o prometido, senhor?
    — Alguns cumprirão. Todos não. Nós temos os nossos covardes e os nossos velhacos, os nossos fracotes e os nossos idiotas, tal como eles os têm.
    — Os nossos votos... Juramos proteger o reino...
    — Depois do povo livre se instalar na Dádiva, se tornarão parte do reino — fez Jon notar. — Vivemos dias desesperados, e que provavelmente se tornarão mais desesperados. Vimos o rosto do nosso verdadeiro inimigo, um rosto morto e branco com brilhantes olhos azuis. O povo livre também viu esse

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:06 pm

    rosto. Stannis não está errado nisto. Temos de fazer causa comum com os selvagens.
    — Causa comum contra um inimigo comum, eu podia concordar com isso — disse Bowen Marsh. — Mas isso não quer dizer que devamos deixar que dezenas de milhares de bárbaros meio mortos de fome atravessem a Muralha. Eles que voltem para as suas aldeias e combatam lá os Outros, enquanto nós selamos os portões. Não será difícil, segundo Othell me diz. Só precisamos encher os túneis com pedra e de despejar água pelos alçapões. A Muralha faz o resto. O frio, o peso... Numa volta de Lua seria como se nunca nenhum portão tivesse existido. Qualquer inimigo teria de abrir caminho à machadada.
    — Ou de trepar.
    — Improvável — disse Bowen Marsh. — Estes homens não são salteadores, tentando roubar uma mulher e algum saque. Tormund terá consigo velhas, crianças, rebanhos de ovelhas e cabras, até mamutes. Precisa de um portão e só restam três. E se enviasse trepadores, bem, nos defender contra trepadores é tão simples como aguilhoar peixes numa panela.
    Os peixes nunca trepam para fora da panela nem te espetam uma lança na barriga. O próprio Jon trepara a Muralha.
    Marsh prosseguiu.
    — Os arqueiros de Mance Rayder devem ter disparado dez mil setas contra nós, ajuizando pelo número de hastes que recolhemos. Foram menos de cem as que chegaram aos nossos homens no topo da Muralha, a maioria das quais elevadas por uma rajada casual de vento. O Alyn Vermelho da Mata de Rosas foi o único homem a morrer lá em cima e foi a queda que o matou, não a seta que lhe atingiu a perna. Donal Noye morreu defendendo o portão. Um ato galante, sim... Mas se o portão tivesse estado selado, o nosso corajoso amieiro podia ainda estar entre nós. Quer enfrentemos cem inimigos quer cem mil, desde que estejamos no topo da Muralha, e eles lá em baixo, não nos podem fazer mal. Ele não está errado. A hoste de Mance Rayder quebrara-se contra a Muralha como uma onda numa costa pedregosa, embora os defensores não fossem mais do que um punhado de velhos, rapazes inexperientes e aleijados. Mas o que Bowen estava sugerindo contrariava todos os instintos de Jon.
    — Se selarmos os portões não podemos enviar patrulheiros — fez notar. — Estaremos, na prática, cegos.
    — A última patrulha do Lorde Mormont custou à Patrulha um quarto dos seus homens, senhor. Precisamos conservar as forças que nos restam. Todas

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:06 pm

    as mortes nos diminuem, e estamos já tão no limite... Ocupar o terreno elevado e vencer a batalha, como o meu tio costumava dizer. Não há terreno mais elevado do que a Muralha, senhor comandante.
    — Stannis promete terras, comida e justiça a todos os selvagens que dobrem o joelho. Nunca nos permitiria selar os portões.
    Marsh hesitou.
    — Lorde Snow, não sou homem para contar histórias, mas tern-se andado a dizer que você está tornando-se muito... Muito amigável com o Lorde Stannis. Alguns sugerem mesmo que é... Um... Um rebelde e um vira-casaca, pois, e, além disso, um bastardo e um warg. Janos Slynt podia ter morrido, mas as suas mentiras sobreviviam.
    — Eu sei o que eles dizem. — Jon ouvira os murmúrios, vira homens virar-lhe as costas quando atravessava o pátio. — O que querem eles que eu faça, que pegue em armas tanto contra Stannis como contra os selvagens? Sua Graça tem o triplo de combatentes que nós temos, e além disso é nosso hóspede. As leis da hospitalidade protegem-no. E temos uma dívida para com ele e os seus.
    — O Lorde Stannis ajudou-nos quando precisamos de ajuda — disse Marsh, obstinado — mas continua a ser um rebelde, e a sua causa está condenada. Tão condenada como nós estaremos, se o Trono de Ferro nos marcar como traidores. Temos de nos assegurarmos de que não escolhemos o lado perdedor.
    — Não é minha intenção escolher nenhum lado — disse Jon — mas não estou tão certo do resultado desta guerra como você parece estar, senhor. Especialmente com o Lorde Tywin morto.
    — Se era possível crer nas histórias que subiam a estrada de rei, o Mão do Rei foi assassinado pelo filho anão enquanto estava sentado numa latrina. Jon conheceu brevemente Tyrion Lannister. Ele pegou-me na mão e chamou-me amigo. Era difícil acreditar que o homenzinho tivesse em si o necessário para assassinar o próprio pai, mas o falecimento do Lorde Tywin parecia estar fora de dúvida. — O leão em Porto Real não passa de uma cria e o Trono de Ferro é conhecido por fazer adultos em tiras.
    — Ele pode ser um rapaz, senhor, mas... O Rei Robert era bem amado, e a maior parte dos homens ainda aceita que Tommen é seu filho. Quanto mais vêem o Lorde Stannis menos gostam dele, e são menos ainda os que têm simpatia pela Senhora Melisandre com as suas fogueiras e este seu severo Deus Vermelho.
    Eles queixam-se.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:06 pm

    — Também se queixavam do Senhor Comandante Mormont. Ele disse-me uma vez que os homens adoram queixar-se das mulheres e dos senhores. Os que não têm mulheres queixam-se duplamente dos senhores. — Jon Snow olhou a paliçada de relance. Duas paredes tinham sido derrubadas, e uma terceira caía depressa. — Vou deixa-lo a acabar isto, Bowen. Assegure-se de que todos os cadáveres são queimados. Obrigado pelos seus conselhos. Prometo-lhe que pensarei em tudo o que me disse.
    Fumo e cinzas ainda pairavam no ar em volta do fosso quando Jon trotou de regresso ao portão. Aí, desmontou, para levar o garrano pela arreata através do gelo até ao lado sul. Edd Doloroso seguiu à sua frente com um archote. As chamas deste lambiam o teto, e lágrimas frias pingavam sobre eles a cada passo.
    — Foi um alívio ver aquele corno arder, senhor — disse Edd. — Ainda ontem à noite sonhei que estava mijando da Muralha quando alguém decidiu dar uma apitadela no corno. Não que me esteja me queixando. Foi melhor do que o meu antigo sonho, no qual Harma Cabeça de Cão estava a me dar de comer aos porcos dela.
    — A Harma está morta — disse Jon.
    — Mas os porcos não estão. Olham para mim como o Matador costumava olhar para presunto. Não estou querendo dizer que os selvagens nos queiram mal. Sim, desfizemos-lhes os deuses e os obrigamos a queimar os bocados, mas demos-lhes sopa de cebola. O que é um deus comparado com uma bela tigela de sopa de cebola? Eu próprio comia uma de bom grado.
    Os odores de fumo e a carne queimada ainda aderiam aos panos negros de Jon. Sabia que tinha de comer, mas aquilo por que ansiava era companhia, não comida. Uma taça de vinho com o Meistre Aemon, umas palavras calmas trocadas com o Sam, algumas gargalhadas com o Pyp, Grenn e o Sapo. Mas Aemon e Sam tinham partido, e os seus outros amigos...
    — Esta noite vou jantar com os homens.
    — Carne de vaca cozida e beterrabas. — Edd Doloroso parecia saber sempre o que estava sendo leito nas cozinhas. — Mas Hobb diz que já não tem rabanetes. Para que serve carne cozida sem rabanetes?
    Desde que os selvagens tinham queimado a antiga sala comum, os homens da Patrulha da Noite tomavam as refeições na antiga cave de pedra por baixo do armeiro, um espaço cavernoso dividido por duas fileiras de pilares quadrados de pedra, com tetos abobadados e grandes barris de vinho e cerveja ao

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:06 pm

    longo das paredes. Quando Jon entrou, quatro construtores estavam jogando as pedras na mesa mais próxima da escada. Mais perto do fogo estava sentado um grupo de patrulheiros e alguns homens do rei, conversando em voz baixa.
    Os homens mais jovens estavam reunidos a outra mesa, onde Pyp apunhalara um nabo com a faca.
    — A noite é escura e cheia de nabos — anunciou numa voz solene. — Rezemos todos por carne de veado, meus filhos, com umas cebolas e um pouco de saboroso molho de carne. — Os amigos riram; Grenn, Sapo, Cetim, o grupo inteiro.
    Jon Snow não se juntou aos risos.
    — Troçar das preces de outro homem é tolice, Pyp. E perigoso.
    — Se o deus vermelho está ofendido, ele que me abata.
    Todos os sorrisos tinham morrido.
    — Era da sacerdotisa que estávamos rindo — disse Cetim, um jovem flexível e bonito que foi em tempos prostituto em Vilavelha. — Estávamos só gracejando, senhor.
    — Vocês tem os seus deuses e ela tem os dela. Deixe-a em paz.
    — Ela não quer deixar os nossos deuses em paz — argumentou Sapo. — Chama aos Sete falsos deuses, senhor. Aos deuses antigos também. Obrigou os selvagens a queimar ramos de represeiro. Você viu.
    — A Senhora Melisandre não faz parte do meu comando. Você sim. Não quero rancores entre os homens do rei e os meus.
    Pyp pousou uma mão no braço do Sapo.
    — Não coaxes mais, corajoso Sapo, que o nosso Grande Lorde Snow falou. — Pôs-se em pé de um salto e dirigiu a Jon uma mesura trocista. — Peço perdão. De agora em diante, nem sequer abanarei as orelhas exceto com senhorial autorização de vossa senhoria. Ele julga que isto é tudo um jogo. Jon quis enfiar-lhe algum juízo no corpo com um abanão.
    — Abana as orelhas sempre que quiser. É o abanar da tua língua que causa problemas.
    — Eu tratarei de que ele tenha mais cuidado — promeseu Grenn — e se não tiver dou-lhe um cascudo. — Hesitou. — Senhor, quer jantar conosco? Owen, afasta-te e dá espaço ao Jon. Não havia nada que Jon mais desejasse. Não, teve de dizer a si, esses dias acabaram. Compreender isso fez lhe torcer as tripas como uma faca. Eles

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Admin em Sex Jul 13, 2012 4:06 pm

    tinham-no escolhido para governar. A Muralha era sua, e as vidas deles também eram suas. Jon conseguia ouvir o senhor seu pai a dizer: Um senhor pode amar os homens que comanda, mas não pode ser amigo deles. Um dia pode precisar julgá-los; ou de envia-los para a morte.
    — Noutro dia — mentiu o Senhor Comandante. — Edd, é melhor tratar do seu jantar. Eu tenho trabalho a terminar.
    O ar do exterior parecia ainda mais frio do que antes. Conseguia ver luz de velas brilhando nas janelas da Torre do Rei, do outro lado do castelo.
    Val estava em pé no telhado da torre, fitando a Muralha. Stannis mantinha-a rigidamente encurralada em aposentos por cima dos seus, mas permitia-lhe percorrer as ameias para fazer exercício. Tem um ar solitário, pensou Jon. Solitário e adorável. Ygritte fora bonita à sua maneira, com o cabelo ruivo beijado pelo fogo, mas fora o seu sorriso que lhe fazia o rosto ganhar vida. Val não precisava sorrir; teria feito virar as cabeças dos homens em qualquer corte do mundo inteiro.
    Mesmo assim, a princesa selvagem não era amada pelos seus carcereiros. Escarnecia de todos eles chamando-Ihes "ajoelhadores" e tinha tentado fugir por três vezes. Quando um homem-de-armas se tornara descuidado na sua presença, ela tirara-lhe o punhal da bainha e apunhalara-o no pescoço. Um par de centímetros para a esquerda, e o homem poderia ter morrido. Solitária, adorável e letal, refletiu Jon Snow, e eu podia tê-la tido. A ela, a Winterfell e ao nome do senhor meu pai. Em vez disso, escolhera um manto negro e uma muralha de gelo. Em vez disso, escolhera a honra. Uma espécie de honra de bastardo.
    A Muralha erguia-se à sua direita quando atravessou o pátio. O gelo mais elevado reluzia palidamente, mas mais abaixo tudo era sombras. Junto ao portão, um tênue brilho cor de laranja reluzia através das barras onde os guardas tinham se refugiado do vento. Jon ouvia o ranger das correntes da gaiola do guincho enquanto esta oscilava e raspava no gelo. Lá em cima, as sentinelas deviam estar aconchegadas no barracão de aquecimento em volta de um braseiro, gritando para serem ouvidos por cima do ruído do vento. Ou então teriam desistido do esforço e cada homem estaria mergulhado na sua própria lagoa de silêncio. Eu devia estar percorrendo o gelo. A Muralha é minha.
    Estava caminhando sob o esqueleto da Torre do Senhor Comandante, junto ao local onde Ygritte morrera nos seus braços, quando Fantasma surgiu ao seu lado, com o hálito morno soltando baforadas no frio. Ao luar, os seus olhos

    Conteúdo patrocinado

    Re: A dança dos dragões

    Mensagem  Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Ter Out 17, 2017 11:37 pm