Private


    Parte 2 3 realm

    Compartilhe

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:06 am

    - Fui eu que comecei - disse Arya. - Gendry estava só conversando.
    - Deixe o moço, Limo - disse Harwin. - Foi mesmo ela quem começou, não duvido. Era a mesma coisa em Winterfell.
    Tom piscou o olho para ela e cantou:
    E como sorriu e como ela riu,
    a donzela do pinheiro.
    Fugiu num rodopio e disse-lhe,
    não quero o seu braseiro.
    Usarei um vestido de folhas douradas, a trança com ervas atada,
    Mas você pode ser meu amor da floresta,
    e eu a sua namorada.
    - Não tenho trajes de folhas - disse a Senhora Smallwood, com um pequeno sorriso simpático mas Carellen deixou aqui mais alguns vestidos que podem servir. Venha, filha, vamos lá em cima ver o que encontramos.
    Foi ainda pior do que antes; a Senhora Smallwood insistiu que Arya tomasse ou¬tro banho, e também que cortasse e escovasse os cabelos; o vestido em que a enfiou da¬quela vez era de uma cor parecida com lilás, e decorado com pequenas perolazinhas. A única coisa boa era ser tão delicado que ninguém podia esperar que Arya montasse a cavalo com ele. Por isso, na manhã seguinte, enquanto quebravam o jejum, a Senhora Smallwood deu-lhe calções, cinto e túnica para vestir, e um gibão marrom de pele de veado com rebites de ferro,
    - Eram coisas de meu filho - disse ela. - Morreu com sete anos.
    - Lamento, senhora. - Arya subitamente sentiu-se envergonhada e com pena dela. - Também lamento ter rasgado o vestido das bolotas. Era bonito.
    - Sim, filha. E você também é. Seja corajosa.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:06 am

    Daenerys
    275

    No centro da Praça do Orgulho havia uma fonte de tijolo vermelho cujas águas cheira¬vam a enxofre, e no meio da fonte erguia-se uma monstruosa harpia feita de bronze martelado. Empinava-se até seis metros de altura. Tinha rosto de mulher, com cabelos dourados, olhos de marfim e dentes pontiagudos também de marfim. A água jorrava amarela de seus seios pesados. Mas, no lugar dos braços, possuía as asas de um morcego ou dragão; suas pernas eram as de uma águia, e atrás tinha a cauda enrolada e venenosa de um escorpião.
    A barpia de Gbis, pensou Dany. A Velha Ghis caíra havia cinco mil anos, se bem se lembrava; suas legiões foram despedaçadas pelo poderio da jovem Valíria; suas mura¬lhas de tijolo, arrasadas; suas ruas e seus edifícios, transformados em cinzas e brasas por fogo de dragão; os campos, semeados com sal, enxofre e crânios. Os deuses de Ghis es¬tavam mortos, e seu povo também; aqueles astapori eram mestiços, dizia Sor Jorah. Até a língua ghiscari estava quase completamente esquecida; as cidades escravagistas fala¬vam o Alto Valiriano de seus conquistadores, ou aquilo em que o tinham transformado.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:06 am

    Mas o símbolo do Velho Império ainda resistia ali, embora aquele monstro de bronze tivesse uma pesada corrente pendurada das garras, com uma algema aberta em cada extremidade, A barpia de Ghis tinha um relâmpago nas garras. Esta é a harpia de Astapor.
    - Diga à prostituta westerosi para baixar os olhos - resmungou o senhor de escravos Kraznys mo Nakloz para a jovem escrava que falava por ele. - Eu negocio carne, não me¬tal. O bronze não está à venda. Diga-lhe para olhar para os soldados. Até os fracos olhos púrpuras de uma selvagem do poente são certamente capazes de ver como as minhas criaturas são magníficas,
    O Alto Valiriano de Kraznys era tortuoso e carregado com o rosnado característico de Ghis e temperado aqui e ali com palavras de calão de feitor. Dany compreendia-o bastante bem, mas sorriu e olhou sem expressão para a escrava, como quem se interroga sobre o que ele teria dito.
    - O Bom Mestre Kraznys pergunta, não são magníficos? - a garota falava bem o Idioma Comum, para alguém que nunca estivera em Westeros. Com não mais de dez anos, tinha o rosto redondo e achatado, pele morena e olhos dourados de Naath. Chamavam seu povo de Povo Pacífico, Todos eram unânimes em afirmar que davam os melhores escravos.
    - Podem ser adequados para as minhas necessidades - respondeu Dany. Tinha sido su¬gestão de Sor Jorah que ela falasse apenas em dothraki e no Idioma Comum enquanto es¬tivesse em Astapor. 0 meu urso é mais esperto do que parece. - Fale-me de seu treinamento.
    - Eles agradam à mulher westerosi, mas ela não os elogia, para manter o preço baixo - disse a tradutora ao seu dono. - Quer saber como foram treinados.
    Kraznys mo Nakloz inclinou a cabeça. Aquele senhor de escravos cheirava como se tivesse tomado banho em framboesas, e sua protuberante barba vermelha e negra brilha¬va de óleo. Os seios dele são maiores do que os meus, refletiu Dany. Via-os através da seda verde-marinho do tokar debruado de ouro que ele trazia enrolado em volta do corpo e por cima de um ombro. A mão esquerda mantinha o tokar no lugar ao caminhar, en¬quanto a direita empunhava um curto chicote de couro.
    - Todos os porcos westerosi são assim tão ignorantes? - protestou. - O mundo intei¬ro sabe que os Imaculados são mestres de lança, escudo e espada curta, - Dirigiu a Dany um largo sorriso. - Diga-lhe o que quer saber, escrava, e depressa. O dia está quente.
    Isso, pelo menos, não é mentira nenhuma. Um par de jovens escravas encontrava-se atrás deles, segurando por cima de suas cabeças um toldo de seda riscado, mas, mesmo à sombra, Dany sentia-se um pouco tonta, e Kraznys transpirava abundantemente. A Praça do Orgulho cozia ao sol desde o nascer do dia, Dany conseguia sentir o calor dos tijolos vermelhos sob os pés mesmo através do solado de suas sandálias. Ondas de calor erguiam-se desses tijolos, estremecendo o ar e fazendo com que as pirâmides de degraus de Astapor que se erguiam ao redor da praça quase parecessem fazer parte de um sonho.
    Se os Imaculados sentiam o calor, não mostravam qualquer sinal disso. Eles mesmos podiam ser feitos de tijolo, julgando pelo modo como estão ali. Um milhar tinha sido trazido das casernas para a sua inspeção; alinhados em dez formações de cem homens perante a fonte e a sua grande harpia de bronze, estavam rigidamente em sentido, com os olhos de pedra fixos à frente. Nada vestiam além de panos de linho branco atados na altura dos rins e elmos cônicos de bronze rematados por um espigão afiado com trinta centímetros de altura. Kraznys

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:06 am

    ordenara-lhes que apoiassem as lanças e os escudos no chão e des¬pissem os cintos de espadas e as túnicas acolchoadas, para que a Rainha de Westeros pudesse inspecionar melhor a rigidez esguia de seus corpos.
    - São escolhidos ainda jovens, pelo tamanho, rapidez e força - disse-lhe a escrava. - Iniciam o treinamento aos cinco anos. Treinam todos os dias, da alvorada ao pôr do sol, até dominarem a espada curta, o escudo e as três lanças. O treino é muito rigoroso, Vossa Graça. Só um garoto em três sobrevive a ele, Isso todos sabem. Entre os Imaculados diz-se que no dia em que ganham seu capacete de espigão o pior ficou para trás, pois ne¬nhum dever que for atribuído a eles poderá ser tão duro quanto o treinamento.
    Kraznys mo Nakloz, supostamente, não falava o Idioma Comum, mas balançava a ca¬beça enquanto escutava e de vez em quando empurrava a escrava com a ponta do chicote.
    - Diga-lhe que aqueles estão ali em pé há um dia e uma noite, sem comida nem água. Diga-lhe que ficarão ali até caírem se eu lhes ordenar que o façam, e que quando novecen¬tos e noventa e nove tiverem caído e morrido sobre os tijolos, o último ainda estará ali e não se moverá até que a própria morte o reclame. É assim a coragem deles. Diga-lhe isso.
    - Eu chamo isso de loucura, não de coragem - disse Arstan Barba-Branca quando a solene pequena escriba terminou. Bateu com a ponta de seu bastão de madeira nos tijolos, tap tap, como que para afirmar seu descontentamento. O velho não quisera viajar até Astapor; tampouco era favorável à compra daquele exército de escravos, Uma rainha de¬via escutar todos os lados antes de tomar uma decisão. Era por isso que Dany o havia tra¬zido consigo até a Praça do Orgulho, não para mantê-la em segurança. Seus companhei¬ros de sangue fariam isso suficientemente bem. Deixara Sor Jorah Mormont a bordo do Balerion para proteger seu povo e seus dragões. Muito a contragosto, havia prendido os dragões no porão. Deixá-los voar livremente sobre a cidade era perigoso demais; o mun¬do estava repleto de homens que os matariam de bom grado por nenhum outro motivo além de poder se autodenominar matador de dragões.
    - O que disse o velho fedorento? - perguntou o feitor à tradutora. Quando ela lhe disse, ele sorriu e falou: - Informe os selvagens de que chamamos isso de obediência. Ou¬tros podem ser mais fortes, mais rápidos ou maiores do que os Imaculados. Alguns, pou¬cos, podem até igualar a sua perícia com a espada, a lança e o escudo. Mas em nenhum lugar entre os mares encontrarão alguém mais obediente.
    - As ovelhas são obedientes - disse Arstan quando as palavras foram traduzidas. Ele também sabia algum valiriano, embora não tanto quanto Dany, mas, assim como ela, fingia ignorância.
    - Kraznys mo Nakloz mostrou seus grandes dentes brancos quando aquilo lhe foi transmitido,
    - Uma palavra minha e aquelas ovelhas derramam as velhas tripas fedorentas dele nos tijolos - disse ele -, mas não lhe diga isso. Diga-lhes que estas criaturas são mais cães do que ovelhas. Eles comem cão ou cavalo lá nos Sete Reinos?
    - Preferem porcos e vacas, excelência.
    - Carne de vaca. Pfuá. Comida para selvagens que não se lavam.
    - Ignorando-os, Dany percorreu lentamente a fileira de soldados escravos. As mulheres
    - seguiram-na de perto com o toldo de seda, para mantê-la à sombra, mas os mil homens à sua frente não desfrutavam de tal proteção. Mais da metade possuía pele acobreada e olhos

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:06 am

    amendoados dos dothraki e dos lhazarenos, mas Dany também viu nas fileiras homens das Cidades Livres, bem como qarthenos de pele clara, ilhéus de verão com ros¬to de ébano, e outros cuja origem não era capaz de adivinhar. E alguns tinham pele do mesmo tom de âmbar de Kraznys mo Nakloz, e os cabelos rijos vermelhos e negros que identificavam o antigo povo de Ghis, aqueles que chamavam a si mesmos de filhos da harpia. Até vendem os seus. Não a devia ter surpreendido. Os dothraki faziam o mesmo, quando khalasar se encontrava com kbalasar no mar de erva.
    - Alguns dos soldados eram altos e outros, baixos. Dany calculou que as idades oscilariam entre os catorze e os vinte anos. Os rostos eram lisos, e os olhos todos iguais, fossem negros, castanhos, azuis, cinza ou ambarinos. São como um único homem, pensou, até se lembrar de que não eram homens coisa nenhuma. Os Imaculados eram eunucos, todos eles.
    - Por que os cortam? - perguntou a Kraznys através da escrava. - Sempre ouvi dizer que homens inteiros são mais fortes do que eunucos.
    - Um eunuco cortado ainda novo nunca terá a força bruta de um de seus cavaleiros westerosi, é verdade - disse Kraznys mo Nakloz quando a pergunta lhe foi colocada. - Um touro também é forte, mas touros morrem todos os dias nas arenas de luta. Uma menina de nove anos matou um há três dias na Arena de Jothiel. Os Imaculados têm algo melhor do que a força, diga-lhe. Têm disciplina. Lutamos à maneira do Velho Império, sim. São as legiões marchantes da Velha Ghis regressadas, absolutamente obedientes, absolutamente leais, e totalmente desprovidas de medo,
    Dany escutou pacientemente a tradução.
    - Até os homens mais corajosos temem a morte e a mutilação - disse Arstan quando a garota terminou.
    Kraznys voltou a sorrir quando ouviu aquilo.
    - Diga ao velho que ele cheira a mijo e precisa de uma bengala para mantê-lo em pé.
    - Digo mesmo, excelência?
    Ele cutucou-a com o chicote.
    - Não, não diz mesmo, é uma menina ou uma cabra para fazer uma pergunta tão imbecil? Diga que os Imaculados não são homens. Diga que a morte não significa nada para eles, e a mutilação menos do que nada. - Parou perante um homem atarracado com traços de Lhazar e ergueu violentamente o chicote, deixando uma linha de sangue em sua face acobreada. O eunuco piscou, e ali ficou, sangrando. - Quer outra?
    - Se sua excelência desejar.
    Foi difícil fingir não entender. Dany pousou uma mão no braço de Kraznys antes de ele ter tempo de voltar a erguer o chicote.
    - Diga ao Bom Mestre que eu vejo como seus Imaculados são fortes e suportam co¬rajosamente a dor.
    Kraznys soltou um risinho quando ouviu as palavras dela em valiriano.
    - Diga a essa prostituta ignorante do ocidente que coragem não tem nada a ver com o assunto.
    - O Bom Mestre diz que aquilo não foi coragem, Vossa Graça.
    - Diga-lhe para abrir esses olhos de cadela.
    - Ele pede-lhe que observe com atenção, Vossa Graça.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:07 am

    Kraznys aproximou-se do eunuco que se seguia na fileira, um jovem muito alto com os olhos azuis e os cabelos louros de Lys.
    - A sua espada - disse. O eunuco ajoelhou, desembainhou a arma e ofereceu-a, com o cabo para a frente. Era uma espada curta, feita mais para trespassar do que para cortar, mas o gume parecia afiado como uma navalha. - Fique em pé - ordenou Kraznys.
    - Sua excelência. - O eunuco levantou-se, e Kraznys mo Nakloz deslizou lentamente a espada por seu tronco acima, deixando uma fina linha vermelha na barriga e entre as costelas. Depois espetou a ponta da espada por baixo de um grande mamilo cor-de-rosa e começou a manejá-la para trás e para a frente.
    - O que ele está fazendo? - perguntou Dany à garota, enquanto o sangue escorria pelo peito do homem.
    - Diga à vaca que pare de mugir - disse Kraznys sem esperar pela tradução, - Isso não lhe fará grande mal. Os homens não precisam dos mamilos, e os eunucos menos ainda, - O mamilo pendeu, preso por um fio de pele. Ele o cortou e fez com que rolasse pelos tijolos, deixando em seu lugar um olho vermelho que chorava sangue copiosamen- te. O eunuco não se mexeu, até que Kraznys entregou-lhe a espada de volta, com o cabo para a frente. - Tome, está dispensado.
    - Este está feliz por tê-lo servido.
    Kraznys virou-se para Dany.
    - Eles não sentem dor, está vendo?
    - Como isso é possível? - ela quis saber através da escriba.
    - O vinho da coragem - foi a resposta que ele lhe deu, - Não é um vinho de verdade, mas sim uma bebida feita a partir de beladona, larvas de mosca de sangue, raízes de lótus negra e muitas coisas secretas, Bebem-no em todas as refeições desde o dia de seu corte, e a cada ano que passa sentem cada vez menos. Isso torna-os destemidos em batalha. E também não podem ser torturados. Diga à selvagem que seus segredos estão seguros com os Imaculados. Ela pode colocá-los de guarda em seus conselhos e até em seu quar¬to, sem nunca se preocupar com o que eles possam ouvir.
    "Em Yunkai e Meeren, os eunucos são freqüentemente gerados através da remoção dos testículos de um rapaz, deixando o pênis. Uma criatura dessas é infértil, mas fre¬qüentemente ainda capaz de ereção. Apenas problemas podem advir de tal prática. Nós removemos também o pênis, sem deixar nada. Os Imaculados são as criaturas mais pu¬ras da face da Terra. "Ofereceu a Dany e Arstan outro largo sorriso branco." Ouvi dizer que nos Reinos do Poente os homens fazem votos solenes de se manterem castos e não gerar filhos, mas viver apenas para o seu dever, E verdade?"
    - E - disse Arstan, quando a pergunta foi colocada. - Há muitas ordens dessas. Os meistres da Cidadela, os septÕes e as septãs que servem os Sete, as irmãs silenciosas dos mortos, a Guarda Real e a Patrulha da Noite...
    - Pobres coitados - rosnou o senhor de escravos depois da tradução. - Os homens não deveriam viver assim. Seus dias são um tormento de tentação, qualquer tolo pode ver isso, e não há dúvida de que a maioria sucumbe aos seus instintos mais primários. Nos¬sos Imaculados não são assim. Estão casados com suas espadas de uma maneira que seus Irmãos Juramentados não podem ter esperanças de igualar. Nenhuma mulher poderá alguma vez tentá-los, e nenhum homem também.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:07 am

    A garota transmitiu a essência do discurso, com mais delicadeza.
    - Há outras maneiras de tentar os homens, além da carne - retrucou Arstan Barba- -Branca depois de ela terminar.
    - Os homens, sim, mas os Imaculados, não. O saque não lhes interessa mais do que a violação. Nada possuem além de suas armas. Nem sequer permitimos que tenham nomes.
    - Não têm nomes? - Dany franziu a testa para a pequena escriba. - Poderá ser isso que o Bom Mestre disse? Eles não têm nomes?
    - E verdade, Vossa Graça,
    Kraznys parou na frente de um ghiscari que podia ter sido um irmão seu mais alto e em melhor forma e estalou o chicote num pequeno disco de bronze que ele tinha preso no cinto da espada, a seus pés.
    - O nome dele está ali. Pergunte à rameira de Westeros se sabe ler glifos ghiscari. - Quando Dany admitiu que não sabia, o feitor virou-se para o Imaculado. - Como se chama? - quis saber.
    - O nome deste é Pulga Vermelha, excelência.
    A garota repetiu a conversa no Idioma Comum.
    - E ontem, qual era?
    - Rato Preto, reverência.
    - No dia anterior?
    - Pulga Marrom, reverência.
    - E antes disso?
    - Este não se lembra, reverência. Talvez Sapo Azul. Ou Verme Azul.
    - Diga-lhe que todos os nomes deles são assim - ordenou Kraznys à garota. - Recordam-lhes de que, por conta própria, são bichos. Os discos com os nomes são atirados dentro de um barril vazio ao terminarem os deveres do dia, e todas as alvoradas são de lá sorteados.
    - Mais loucuras - disse Arstan quando ouviu aquilo. - Como um homem pode se lembrar de um nome novo todos os dias?
    - Os que não podem são excluídos no treino, com aqueles que não são capazes de correr o dia inteiro com a bagagem completa, escalar uma montanha no meio da noite, caminhar sobre brasas ou matar uma criança.
    A boca de Dany certamente se contorceu ao ouvir aquilo. Ele terá visto, ou será tão cego quanto é cruel? Virou-se depressa, tentando manter uma máscara no rosto até ouvir a tradução. Foi só então que se permitiu dizer:
    - De quem são as crianças que matam?
    - Para conquistar seu capacete de espigão, um Imaculado deve ir aos mercados de es¬cravos com um marco de prata, encontrar um recém-nascido qualquer e matá-lo diante dos olhos da mãe. Dessa maneira, certificamo-nos de que não resta neles qualquer fraqueza.
    Dany sentiu-se prestes a desmaiar. 0 calor, tentou dizer a si própria.
    - Arrancam um bebê dos braços da mãe, matam-no com ela assistindo e pagam por sua dor com uma moeda de prata?
    Quando a tradução lhe chegou, Kraznys mo Nakloz soltou uma sonora gargalhada.
    - Que idiota chorona e molenga esta aí é. Diga à puta de Westeros que o marco é para o dono da criança, não para a mãe. Os Imaculados não estão autorizados a roubar. - Bateu com o chicote na perna. - Diga-lhe que são poucos os que falham nesse teste. Os cães são mais

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:07 am

    difíceis para eles, na verdade. Damos um cachorro a cada garoto no dia em que é cortado. Ao fim do primeiro ano, ele deve estrangulá-lo. Todos os que não conse¬guem fazer isso são mortos e dados de comer aos cães sobreviventes. Achamos que isso serve como uma boa e forte lição.
    Arstan Barba-Branca batucou com a ponta de seu bastão nos tijolos enquanto ouvia aquilo. Tap tap tap. Lenta e regularmente. Tap tap tap. Dany viu-o afastar os olhos, como se não conseguisse olhar mais para Kraznys.
    - O Bom Mestre disse que esses eunucos não podem ser tentados com moedas ou carne - disse Dany à garota mas se algum inimigo meu lhes oferecesse a liberdade por me traírem...
    - Eles iriam matá-lo imediatamente e trariam-lhe a cabeça, diga-lhe isso - respondeu o feitor. - Outros escravos podem roubar e guardar prata em segredo na esperança de comprar a liberdade, mas um Imaculado não a aceitaria se a eguazinha a oferecesse de presente. Não têm vida fora de seu dever. São soldados, e só.
    - E de soldados que preciso - admitiu Dany.
    - Diga-lhe que, nesse caso, fez bem em vir a Astapor. Pergunte-lhe qual é o tamanho do exército que deseja comprar.
    - Quantos Imaculados tem para vender?
    - Oito mil completamente treinados e disponíveis de imediato. Ela deve saber que só os vendemos em larga escala. Em milhares ou centenas. Antes os vendíamos em de¬zenas, para guardas domésticos, mas isso revelou-se um erro. Dez são poucos demais.
    Misturam-se com os outros escravos, e até com homens livres e esquecem-se de quem e do que são. — Kraznys esperou que aquilo fosse transmitido no Idioma Comum e depois prosseguiu. - Essa rainha pedinte precisa compreender que tais maravilhas não saem baratas. Em Yunkai e Meereen, espadachins escravos podem ser obtidos por menos do que o preço de suas espadas, mas os Imaculados são a melhor infantaria do mundo in¬teiro, e cada um deles representa muitos anos de treino. Diga-lhe que eles são como aço valiriano, dobrados uma e mais uma vez e martelados anos a fio, até ficarem mais fortes e resistentes do que qualquer metal da Terra.
    - Eu conheço o aço valiriano - disse Dany. - Pergunte ao Bom Mestre se os Imacula¬dos têm seus próprios oficiais.
    - Precisa pôr seus oficiais à frente deles. Nós os treinamos para obedecer, não para pensar. Se é inteligência que ela quer, que compre escribas.
    - E o equipamento?
    - Espada, escudo, lança, sandálias e túnica acolchoada estão incluídos - disse Kra¬znys. - E os capacetes de espigão, com certeza. Eles usarão qualquer armadura que você queira, mas quem vai fornecê-la é você,
    Dany não conseguia pensar em mais perguntas. Olhou para Arstan.
    - Viveu longo tempo no mundo, Barba-Branca. Agora que já os viu, o que diz?
    - Digo que não, Vossa Graça - o velho respondeu de imediato.
    - Por quê? - perguntou ela. - Fale livremente, - Dany julgava saber o que ele diria, mas queria que a menina escrava o escutasse, para que Kraznys mo Nakloz ouvisse depois.
    - Minha rainha - disse Arstan -, não há escravos nos Sete Reinos há milhares de anos. Tanto os velhos deuses como os novos consideram a escravidão uma abomínação. Maligna. Se desembarcar em Westeros à frente de um exército de escravos, muitos bons homens irão

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:07 am

    se opor a você por nenhum outro motivo além desse. Causará grande dano à sua causa e à honra de sua Casa.
    - E, no entanto, preciso ter algum exército - disse Dany. - O rapaz Joffrey não me dará o Trono de Ferro se eu pedir educadamente.
    - Quando chegar o dia de içar os estandartes, metade de Westeros estará com a senhora - prometeu Barba-Branca. - Seu irmão Rhaegar ainda é lembrado com grande amor.
    - E meu pai? - perguntou Dany.
    O velho hesitou antes de dizer:
    - O Rei Aerys também é recordado. Deu ao reino muitos anos de paz. Vossa Graça não tem necessidade de escravos. O Magíster Illyrio pode mantê-la a salvo enquanto seus dragões crescem e pode mandar enviados secretos para o outro lado do mar estreito em seu nome, para sondar os grandes senhores a respeito de sua causa,
    - Esses mesmos grandes senhores que abandonaram o meu pai em favor do Regicida e se curvaram a Robert, o Usurpador?
    - Mesmo aqueles que dobraram os joelhos podem ansiar no seu íntimo pelo retorno dos dragões.
    - Podem - disse Dany. Podem era uma palavra tão escorregadia! Em qualquer língua. Virou-se para Kraznys mo Nakloz e para sua pequena escrava. - Tenho de refletir cuidadosamente.
    O negociante de escravos encolheu os ombros.
    - Diga-lhe para refletir depressa» Há muitos outros compradores. Não há mais de três dias mostrei estes mesmos Imaculados a um rei corsário que espera comprar todos eles.
    - O corsário só queria cem, excelência - Dany ouviu a pequena escrava dizer.
    Ele cutucou-a com a ponta do chicote,
    - Os corsários são todos mentirosos. Ele vai comprar todos. Diga-lhe isso, garota.
    Dany sabia que levaria mais de cem, se chegasse a levar algum.
    - Lembre ao Bom Mestre quem eu sou. Lembre-lhe de que sou Daenerys Nasci¬da na Tormenta, Mãe de Dragões, a Não Queimada, legítima rainha dos Sete Reinos de Westeros. Meu sangue é o sangue de Aegon, o Conquistador, e da antiga Valíria antes dele.
    Mas suas palavras não tocaram o rotundo e perfumado negociante de escravos, mes¬mo depois de transmitidas em sua feia língua.
    - A antiga Ghis dominava um império quando os valirianos ainda andavam feden¬do ovelhas - rosnou para a pobre pequena escriba - e nós somos os filhos da harpia. - Encolheu os ombros. - Tagarelar com mulheres é um desperdício. No leste ou no oeste são todas iguais, são incapazes de decidir até terem sido paparicadas, aduladas e empanturradas de docinhos. Bom, se é esse o meu destino, que seja. Diga à rameira que se quiser um guia para a nossa bela cidade, Kraznys mo Nakloz está a seu serviço... e também pode lhe prestar outros serviços, se for mais mulher do que parece.
    - O Bom Mestre Kraznys terá todo o gosto em mostrar-lhe Astapor enquanto a se¬nhora reflete, Vossa Graça - disse a tradutora.
    - Dou-lhe geleia de miolos de cão, um belo e rico guisado de polvo vermelho e feto de cão para comer. - Passou a língua pelos lábios,
    - Ele diz que aqui é possível provar muitos pratos deliciosos,

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:07 am

    - Diga-lhe como as pirâmides são bonitas à noite - rosnou o negociante de escravos, - Diga-lhe que lamberei mel dos peitos dela, ou deixarei que lamba mel dos meus, se preferir.
    - Astapor é muito bela ao pôr do sol, Vossa Graça - disse a pequena escrava. - Os Bons Mestres acendem lanternas de seda em todos os terraços, para que todas as pirâmi¬des brilhem com luzes coloridas. Barcaças do prazer percorrem o Verme, cheias de mú¬sica suave e acostando nas pequenas ilhas para oferecer comida, vinho e outras delícias.
    - Pergunte se ela quer ver as nossas arenas de luta - acrescentou Kraznys. - A Arena de Douquor tem um bom espetáculo marcado para esta noite. Um urso e três garoti- nhos. Um menino será besuntado de mel, outro de sangue e outro de peixe podre, e ela pode apostar qual deles o urso comerá primeiro.
    Tap tap tap, ouviu Dany. O rosto de Arstan Barba-Branca estava imóvel, mas seu bas¬tão demonstrava a ira que sentia. Tap tap tap. Obrigou-se a sorrir,
    - Tenho meu próprio urso na Balerion - disse à tradutora - e pode bem me comer se não voltar para junto dele.
    - Está vendo - disse Kraznys quando as palavras de Dany foram traduzidas, - Não é a mulher que decide, é este homem para quem corre, Como sempre!
    - Agradeça ao Bom Mestre por sua paciente gentileza - disse Dany - e diga-lhe que pensarei em tudo que aprendi aqui. - Ofereceu o braço a Arstan Barba-Branca, para que o velho escudeiro a levasse através da praça até a liteira, Aggo e Jhogo rodearam-nos, caminhando com o gingar de pernas arqueadas que todos os senhores dos cavalos ado¬tavam quando eram forçados a desmontar e caminhar pela terra como simples mortais.
    Dany subiu na sua Iiteira com a expressão carregada e fez sinal a Arstan para que subisse também. Um homem tão velho como ele não devia andar a pé num calor tão forte. Não fechou as cortinas quando se puseram em movimento. Com o sol castigando tão duramente aquela cidade de tijolos vermelhos, qualquer brisa perdida era algo a ser apreciado, mesmo se viesse acompanhada de um redemoinho de fina poeira vermelha. Além disso, tenho de ver.
    Astapor era uma cidade estranha, mesmo aos olhos de alguém que tinha andado pela Casa de Poeira e se banhado no Ventre do Mundo à sombra da Mãe das Montanhas. Todas as ruas eram feitas dos mesmos tijolos vermelhos que pavimentavam a praça. E o mesmo material construíra as pirâmides de degraus, as profundamente escavadas arenas de luta - com suas arquibancadas em forma de anéis descendentes -, as fontes sulfurosas e as sombrias adegas, e as antigas muralhas que os cercavam. Tantos tijolos, pensou, e tão velhos e desgastados. A fina poeira que soltavam encontrava-se por toda a parte, dançando pelas valetas a cada sopro de vento. Pouco admirava que tantas mulheres de Astapor ve¬lassem o rosto, a poeira de tijolo pinicava mais nos olhos do que a areia,
    - Abram alas! - gritava Jhogo, do cavalo à frente da Iiteira. - Abram alas para a Mãe de Dragões! - Mas quando desenrolou o grande chicote de cabo de prata que ela lhe dera e o fez estalar no ar, Dany debruçou-se para fora e disse-lhe que não.
    - Neste lugar, não, sangue do meu sangue - disse, na língua dele. - Estes tijolos ouvi¬ram o som de chicotes mais do que deveriam.
    As ruas tinham estado praticamente desertas quando saíram do porto naquela ma¬nhã, e não pareciam muito mais povoadas agora. Um elefante passou pesadamente por eles, com uma Iiteira gradeada sobre o dorso. Um garoto nu com a pele descascando estava sentado numa valeta de tijolo seca, com o dedo enfiado no nariz e olhando, carran- cudo, para um grupo de

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:08 am

    formigas que caminhavam pela rua. Ergueu a cabeça ao ouvir o ruído de cascos e ficou olhando de boca aberta quando uma coluna de guardas a cavalo passou por ele a trote, numa nuvem de poeira vermelha e gargalhadas quebradiças. Os discos de cobre cosidos aos seus mantos de seda amarela cintilavam como outros tantos sóis, mas suas túnicas eram de linho bordado, e abaixo da cintura usavam sandálias e saias de linho plissadas. De cabeça nua, cada homem tinha penteado, untado e retorcido seus rígidos cabelos vermelhos e negros, dando-lhes uma forma fantástica qualquer, cor¬nos, asas e lâminas, e até mãos dadas, de modo que pareciam uma trupe de demônios fu¬gida do sétimo inferno, O garoto nu observou-os por um tempo, tal como Dany, mas eles rapidamente desapareceram, e o menino voltou às suas formigas, com um dedo no nariz.
    Esta é uma cidade antiga, refletiu, mas não tão populosa quanto foi no seu apogeu, nem de perto tão povoada quanto Qarth, Pentos ou Lys.
    A Iiteira parou subitamente num cruzamento, para permitir que um comboio de es¬cravos passasse à sua frente, arrastando os pés, incentivado a avançar pelo estalar do chi¬cote de um capataz. Aqueles não eram Imaculados, reparou Dany, mas homens de um tipo mais comum, com pele parda clara e cabelos castanhos. Havia mulheres entre eles, mas crianças não. Estavam todos nus. Dois astapori vinham atrás dos escravos, monta¬dos em burros brancos, um homem com um tokar de seda vermelha e uma mulher com véu, vestida de fino linho azul, decorado com lascas de lápis-lazúli. Em seus cabelos ver¬melhos e negros trazia um pente de marfim. O homem ria enquanto lhe segredava algu¬ma coisa, sem prestar mais atenção em Dany do que em seus escravos ou no capataz com o chicote retorcido de cinco pontas, um dothraki grande e atarracado que tinha a harpia e as correntes orgulhosamente tatuadas em seu peito musculoso.
    - Tijolos e sangue construíram Astapor - murmurou o Barba-Branca ao seu lado - e tijolos e sangue construíram o seu povo.
    - O que é isso? - perguntou-lhe Dany, curiosa.
    - Uns versos antigos que um meistre me ensinou, quando eu era garoto. Nunca sou¬be como eram verdadeiros. Os tijolos de Astapor são vermelhos do sangue dos escravos que os fizeram.
    - Consigo acreditar nisso perfeitamente - disse Dany.
    - Então abandone este lugar antes que seu coração também se transforme em um tijolo. Zarpe hoje mesmo, na maré da noite.
    Bem que gostaria de poder fazê-lo, pensou Dany.
    - Sor Jorah diz que quando eu deixar Astapor, deverá ser com um exército.
    - O próprio Sor Jorah foi um comerciante de escravos, Vossa Graça - recordou-lhe o velho. - Há mercenários em Pentos, Myr e Tyrosh que você pode contratar. Um homem que mata por dinheiro não tem honra, mas pelo menos não é escravo. Encontre lá o seu exército, suplico à senhora,
    - Meu irmão visitou Pentos, Myr, Bravos, quase todas as Cidades Livres. Os magíste- res e arcontes alimentaram-no com vinho e promessas, mas mataram sua alma de fome. Um homem não pode jantar da tigela de pedinte a vida toda e continuar a ser homem. Eu experimentei isso em Qarth e foi o bastante. Não voltarei a Pentos de tigela na mão.
    - Antes chegar como pedinte do que como senhora de escravos - disse Arstan.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:08 am

    - Fala alguém que não foi nenhum dos dois. - As narinas de Dany dilataram-se. - Sabe o que é ser vendido, escudeiro? Eu sei. Meu irmão vendeu-me a Khal Drogo em troca da promessa de uma coroa dourada. Bem, Drogo coroou-o de ouro, embora não da maneira que ele havia desejado, e eu... o meu sol e estrelas fez de mim uma rainha, mas se tivesse sido um homem diferente, as coisas poderiam ter acontecido de uma forma total¬mente distinta. Acha que me esqueci de como é ter medo?
    Barba-Branca inclinou a cabeça.
    - Vossa Graça, não pretendi ofendê-la,
    - Só as mentiras me ofendem, nunca os conselhos honestos. - Dany deu uma palma- dinha na mão manchada de Arstan para sossegá-lo. - Tenho um gênio de dragão, é só
    • isso. Não pode permitir que ele o atemorize.
    - Tentarei me lembrar disso - Barba-Branca sorriu.
    Ele tem rosto gentil e uma grande força, pensou Dany. Não conseguia compreender por que Sor Jorah desconfiava tanto do velho. Poderá sentir ciúmes por eu ter encontrado outro homem com quem conversar? Sem pedir licença, seus pensamentos voltaram àquela noite, no Balerion, em que o cavaleiro exilado a beijara. Ele nunca devia ter feito aquilo. JÉ três vezes mais velho do que eu, e de um nascimento baixo demais para mim, e não lhe dei permis¬são, Nenhum verdadeiro cavaleiro beijaria uma rainha sem a sua permissão. Depois daquela noite, tinha tomado cuidado para nunca ficar sozinha com Sor Jorah, mantendo as aias consigo a bordo do navio, e às vezes também os companheiros de sangue. Ele deseja me beijar de novo, vejo em seus olhos.
    Dany nem era capaz de começar a expressar aquilo que desejava, mas o beijo de Jorah tinha acordado alguma coisa dentro dela, algo que estivera adormecido desde a morte de Khal Drogo. Deitada em seu estreito beliche, dava por si perguntando-se sobre como seria ter um homem ao seu lado em vez de sua aia, e a idéia era mais excitante do que deveria ser. As vezes fechava os olhos e sonhava com ele, mas nunca era com Jorah Mor¬mont que sonhava; seu amante era sempre mais jovem e mais belo, embora o rosto de Sor Jorah nunca deixasse de surgir, como uma sombra em constante mutação.
    Uma noite, tão atormentada que não conseguia dormir, Dany enfiou uma mão entre as pernas e ficou sobressaltada quando verificou quão molhada se encontrava. Quase sem se atrever a respirar, moveu os dedos para a frente e para trás entre seus lábios inferiores, lentamente para não acordar Irri, que dormia ao seu lado, até que encontrou um local es¬pecial e se demorou ali, tocando-se levemente, a princípio com timidez, mas depois mais depressa. Mesmo assim o alívio que desejava parecia afastar-se à sua frente, até que os dragões se agitaram e um deles soltou um grito na cabine, e Irri acordou e compreendeu o que ela estava fazendo.
    Dany sabia que seu rosto estava corado, mas na escuridão Irri certamente não con¬seguiria ver. Sem uma palavra, a aia pôs uma mão num seio dela e depois debruçou-se para tomar um mamilo na boca. A outra mão deslocou-se ao longo da suave curva da sua barriga, através do montículo de finos pelos prateados, e começou a trabalhar entre as coxas de Dany. Não passaram mais do que alguns momentos antes que as suas pernas se contorcessem, seus seios se elevassem e todo o seu corpo estremecesse. Então gritou. Ou talvez tivesse sido Drogon. Irri não chegou a dizer nada, limitou-se a enrolar-se e a voltar ao sono no momento em que o ato foi concluído.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:08 am

    No dia seguinte, tudo aquilo tinha parecido um sonho, E o que tinha Sor Jorah a ver com o assunto? E Drogo que eu desejo, o meu sol e estrelas, recordou Dany a si mesma. Não Irri, e não Sor Jorah, apenas Drogo. Mas Drogo estava morto. Julgara que aqueles sentimentos tivessem morrido com ele, ali no deserto vermelho, mas um beijo traiçoeiro os havia trazido de volta à vida sem que ela soubesse como. Ele nunca devia ter me beijado. Ousou demais, e eu deixei. Não pode nunca voltar a acontecer. Fez uma expressão sombria com a boca e sacudiu a cabeça, e a sineta em sua trança tilintou suavemente.
    Mais perto da baía, a cidade apresentava uma aparência mais agradável. As grandes pirâmides de tijolo margeavam a costa, a maior tinha cento e vinte metros de altura. Todo tipo de árvores, trepadeiras e flores cresciam em seus largos terraços, e os ventos que rodopiavam em volta delas cheiravam a verde e a perfume. Outra harpia gigantesca erguia-se sobre o portão, esta era feita de argila vermelha cozida, e visivelmente se des¬fazia, não lhe restando mais do que um toco onde antes estivera a cauda de escorpião. A corrente que segurava com as garras de barro era ferro-velho, repleto de ferrugem. Mas, perto da água, estava mais fresco. O bater das ondas contra os pilares corroídos produzia um som curiosamente calmante.
    Aggo ajudou Dany a descer da Iiteira. Belwas, o Forte, estava sentado num alto pilar, comendo um grande pedaço de carne assada.
    - Cachorro - disse ele em tom alegre quando viu Dany. - Bom cachorro em Astapor, pequena rainha. Comer? - ofereceu com um sorriso gorduroso.
    - É gentil de sua parte, Belwas, mas não. - Dany tinha comido cachorro em outros lugares, em outros tempos, mas naquele momento tudo em que conseguia pensar era nos Imaculados e em seus estúpidos filhotes. Passou rapidamente pelo enorme eunuco e subiu a prancha até o convés do Balerion.
    Sor Jorah Mormont estava à sua espera.
    - Vossa Graça - disse, baixando a cabeça. - Os feitores vieram e foram embora. Três, com uma dúzia de escribas e outros tantos escravos para os transportes. Percorreram cada centímetro de nossos porões e tomaram nota de tudo que possuímos. - Acompanhou-a até o fundo. - Quantos homens eles têm à venda?
    - Nenhum. - Seria com Mormont que estava zangada, ou com aquela cidade e o seu obstinado calor, seus fedores, suores e tijolos em ruína? - Vendem eunucos, não homens. Eunucos feitos de tijolo, como o resto de Astapor. Devo comprar oito mil eunucos de tijolo com olhos mortos que nunca se movem, que matam bebês de peito por causa de um chapéu com um espigão e estrangulam os próprios cães? Nem sequer têm nomes. Portanto não os chame de homens, sor.
    - Khaleesi - disse ele, surpreendido com a sua fúria -, os Imaculados são escolhidos ainda garotos e treinados...
    -Já ouvi tudo que quero ouvir a respeito do tremo. - Dany sentiu lágrimas jorrando de seus olhos, súbitas e indesejadas. Sua mão saltou e atingiu com força o rosto de Sor Jorah. Era isso ou gritar.
    Mormont tocou a bochecha que ela havia estapeado.
    - Se desagradei à minha rainha...
    - Desagradou. Desagradou-me muito, sor. Se fosse meu cavaleiro leal, nunca teria me trazido a esta vil pocilga. - Se fosse meu leal cavaleiro, nunca teria me beijado, ou olhado meus seios como fez, ou...

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:08 am

    - Às ordens de Vossa Graça. Direi ao Capitão Groleo que se prepare para zarpar na maré da noite, rumo a uma pocilga menos vil.
    - Não - disse Dany. Groleo observava-os do castelo de proa, e sua tripulação tam¬bém assistia. Barba-Branca, seus companheiros de sangue, Jhiqui, todos tinham parado o que estavam fazendo ao ouvir a bofetada. - Quero zarpar agora, e não na maré, quero navegar para longe e depressa e não olhar para trás. Mas não posso, não é? Há oito mil eunucos de tijolo à venda, e tenho que arranjar uma maneira de comprá-los. - E com aquilo o deixou e foi para baixo.
    Atrás da porta de madeira esculpida da cabine do capitão, seus dragões estavam inquietos. Drogon ergueu a cabeça e soltou um grito, com fumaça clara saindo de suas narinas, e Viserion voou para ela e tentou se empoleirar em seu ombro, como fazia quan¬do era menor.
    - Não - disse Dany, tentando afastá-lo com suavidade. - Agora é grande demais para isso, querido. - Mas o dragão enrolou a sua cauda branca e dourada em volta de um bra¬ço e enterrou garras negras no tecido de sua manga, agarrando-se bem. Impotente, Dany afundou-se na grande cadeira de couro de Groleo, aos risinhos
    - Estiveram agitados enquanto esteve fora, khaleesi - disse-lhe Irri. - Viserion arran¬cou lascas da porta com as garras, vê? E Drogon tentou escapar quando os feitores vie¬ram vê-los. Quando agarrei sua cauda para detê-lo, ele se virou e me mordeu. - Mostrou aDanv as marcas dos dentes do dragão em sua mão.
    - Algum deles tentou libertar-se pelo fogo? - isso era o que mais assustava Dany.
    - Não, khaleesi. Drogon soltou seu fogo, mas para o ar. Os negociantes de escravos tiveram medo de se aproximar dele.
    Beijou a mão de Irri no local onde Drogon a mordera.
    - Sinto muito que ele a tenha machucado. Os dragões não foram feitos para ficar trancados numa pequena cabine de navio.
    - Nisso, os dragões são como os cavalos - disse Irri. - E também como os cavaleiros. Os cavalos relincham lá embaixo, khaleesi, e dão coices nas paredes de madeira. Eu ouço. E Jhiqui diz que as velhas e os pequenos também gritam quando não está aqui. Não gos¬tam desta carroça de água. Não gostam do negro mar salgado.
    - Eu sei - disse Dany. - Sei mesmo.
    - A minha khaleesi está triste?
    - Sim - admitiu Dany. Triste e perdida.
    - Deverei dar prazer à khaleesi?
    Dany afastou-se dela.
    - Não. Irri, não precisa fazer isso, O que aconteceu naquela noite, quando você acor¬dou... não é escrava de cama, eu libertei-a, lembra? Você...
    - Sou aia da Mãe de Dragões - disse a moça. - E uma grande honra dar prazer à minha khaleesi.
    - Eu não quero - insistiu Dany. - Não quero. - Virou-se num movimento brusco. - Agora deixe-me. Quero ficar sozinha. Para pensar.
    A escuridão tinha começado a cair sobre as águas da Baía dos Escravos quando Dany voltou ao convés. Parou junto à amurada e olhou para Astapor. Daqui parece quase bela, pensou. As estrelas estavam aparecendo, no céu, e as lanternas de seda também, na terra, tal como a tradutora de Kraznys prometera. As pirâmides de tijolo tremeluziam com a luz. Mas embaixo

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:08 am

    está escuro, nas ruas, praças e arenas de luta. E onde a escuridão é maior é nas casernas, onde algum garotinho está dando restos de comida a um cachorro que lhe deram quando roubaram sua virilidade.
    Houve um passo suave atrás dela.
    - Khaleesi. - A voz dele. - Posso falar com franqueza?
    Dany não se virou. Não conseguia suportar olhá-lo naquele momento, Se o fizesse, poderia voltar a estapeá-lo. Ou chorar. Ou beijá-lo. E não chegar a saber o que era certo, o que era errado e o que era uma loucura.
    - Diga o que quiser, sor.
    - Quando Aegon, o Dragão, pisou na costa de Westeros, os Reis do Vale, do Roche¬do e da Campina não correram para lhe entregar suas coroas. Se quer se sentar no seu Trono de Ferro, terá de conquistá-lo, tal como ele fez, com aço e fogo de dragão. E isso significa ter sangue nas mãos antes de tudo acabar.
    Sangue c jogo, pensou Dany. As palavras da Casa Targaryen. Conhecera-as por toda a vida,
    - Derramarei com satisfação o sangue de meus inimigos. O sangue de inocentes é outra coisa, Querem me oferecer oito mil Imaculados. Oito mil bebês mortos. Oito mil cães estrangulados.
    - Vossa Graça - disse Jorah Mormont -, eu vi Porto Real depois do Saque. Também foram massacrados bebês nesse dia, e também velhos e crianças que brincavam. Foram violadas mais mulheres do que é possível contar. Há um animal selvagem em todos os homens, e quando se dá a esse homem uma espada ou uma lança e esse homem é enviado para a guerra, o animal acorda. O cheiro de sangue é o suficiente para acordá-lo. Mas nunca ouvi dizer que esses Imaculados tivessem violado, ou dizimado uma cidade com a espada, ou sequer saqueado, exceto por ordem expressa daqueles que os lideravam. Até podem ser de tijolo, como diz, mas se os comprar, daqui em diante os únicos cães que matarão serão aqueles que a senhora quiser mortos. E, se bem me lembro, a senhora tem alguns cães que quer ver mortos.
    Os cães do Usurpador.
    - Sim. - Dany fitou as suaves luzes coloridas e permitiu que a fresca brisa salgada a acariciasse. - Fala de saquear cidades. Responda-me uma coisa, sor: por que os dothra- ki nunca saquearam esta cidade? - apontou. - Olhe para as muralhas. E possível ver onde já começaram a ruir. Ali e ali. Vê algum guarda naquelas torres? Eu não. Estarão escondidos, sor? Vi hoje esses filhos da harpia, todos os seus orgulhosos guerreiros de alto nascimento. Vestem-se com saia de linho, e a coisa mais feroz neles era os cabelos. Até um khalasar modesto conseguiria rachar esta Astapor como uma noz e derramar seu conteúdo podre. Diga-me, portanto, por que é que aquela feia harpia não está às margens do caminho dos deuses em Vaes Dothrak entre os outros deuses roubados?
    - Possui um olho de dragão, khaleesi, vê-se isso claramente.
    - Quero uma resposta, não um elogio.
    - Há dois motivos. Os bravos defensores de Astapor não passam de palha, isso é verdade. Nomes antigos e bolsas gordas que se vestem com açoites ghiscari para fingir que ainda dominam um vasto império. Todos eles são oficiais de elevada patente. Nos dias de festa travam guerras de mentira nas arenas, para demonstrar como são brilhan¬tes comandantes, mas são os eunucos que morrem. Da mesma forma, qualquer inimigo que quisesse saquear

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:08 am

    Astapor teria de saber que defrontaria Imaculados. Os senhores de escravos colocariam a guarnição inteira a serviço da defesa da cidade. Os dothraki não atacam Imaculados desde que deixaram as tranças aos portões de Qohor.
    - E o segundo motivo?
    - Quem atacaria Astapor? - perguntou Sor Jorah. - Meereen e Yunkai são rivais mas não inimigos, a Perdição destruiu Valíria, o povo do interior, para oriente, é todo ghiscari, e para lá dos montes fica Lhazar. Os Homens-Ovelhas, como os seus dothraki os cha¬mam, são um povo notavelmente avesso à guerra.
    - Sim - concordou ela mas a norte das cidades dos negociantes de escravos fica o mar dothraki, e duas dúzias de poderosos khal que apreciam mais do que qualquer coisa saquear cidades e levar seus povos como escravos.
    - Levá-los para onde? De que servem os escravos depois de se matar seus negocian¬tes? Valíria já não existe, Qarth fica do outro lado do deserto vermelho, e as Nove Cida¬des Livres estão a milhares de léguas para oeste. E pode estar certa de que os filhos da harpia são pródigos nas ofertas a qualquer khal que por aqui passe, tal como fazem os magísteres em Pentos, Norvos e Myr. Sabem que se banquetearem os senhores dos cava¬los e lhes derem presentes, eles em breve partirão. É mais barato do que lutar, e bastante mais seguro.
    Mais barato do que lutar, pensou Dany. Sim, talvez seja. Se ao menos pudesse ser assim tão fácil para ela, Como seria agradável velejar até Porto Real com seus dragões e pagar ao rapaz Joffrey uma arca de ouro para fazer com que fosse embora.
    - Khaleesi? - disse Sor Jorah depois de ela ficar em silêncio durante muito tempo. Tocou ligeiramente o cotovelo dela.
    Dany afastou-o, e disse:
    - Viserys teria comprado todos os Imaculados que tivesse dinheiro para isso, Mas você certa vez disse que eu era como Rhaegar...
    - Lembro-me disso, Daenerys.
    - Vossa Graça - corrigiu ela. - O Príncipe Rhaegar levou homens livres para a bata¬lha, não escravos. Barba-Branca disse que foi o próprio quem armou os escudeiros cava¬leiros e também armou muitos outros homens.
    - Não havia honra maior do que receber o grau de cavaleiro das mãos do Príncipe de Pedra do Dragão.
    - Então diga-me: quando ele tocava um homem no ombro com a espada, o que dizia? "Vá e mate os fracos"? Ou "Vá e defenda-os"? No Tridente, esses homens corajosos de que Viserys falou e que morreram sob os nossos estandartes do dragão... deram a vida porque acreditavam na causa de Rhaegar, ou porque tinham sido comprados e pagos? - Dany virou-se para Mormont, cruzou os braços e esperou por uma resposta.
    - Minha rainha - disse lentamente o forte homem -, tudo que diz é verdade. Mas Rhaegar perdeu no Tridente. Perdeu a batalha, perdeu a guerra, perdeu o reino e perdeu a vida. Seu sangue escorreu rio abaixo com os rubis de sua placa de peito, e Robert, o Usurpador, cavalgou por cima de seu cadáver para roubar o Trono de Ferro. Rhaegar lutou valentemente, Rhaegar lutou com nobreza, lutou com honra. E Rhaegar morreu.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:11 am

    Bran
    292
    Nenhuma estrada atravessava os retorcidos vales de montanha que agora percorriam. Entre os picos cinzentos de pedra havia calmos lagos azuis, longos, profundos e es¬treitos, e as infinitas sombras verdes de florestas de pinheiros. O castanho-avermelhado e o dourado das folhas de outono tornaram-se menos comuns quando abandonaram a mata de lobos para subir as velhas colinas de sílex, e desapareceram quando as coli¬nas se transformaram em montanhas. Gigantescas árvores sentinela cinza-esverdeadas erguiam-se agora por cima deles, ombreando com abetos e pinheiros-marciais numa pro¬fusão sem fim. Por baixo, a vegetação rasteira era pouco densa, e o chão da floresta estava atapetado de agulhas verde-escuras.
    Quando se perdiam, como aconteceu uma ou duas vezes, bastava-lhes esperar por uma noite fria e límpida em que as nuvens não se intrometessem e olhar para o céu em busca do Dragão de Gelo. A estrela azul no olho do dragão indicava o caminho para o norte> segundo Osha tinha lhe dito um dia. Pensar em Osha fazia Bran se perguntar so¬bre onde ela estaria. Imaginava-a a salvo em Porto Branco, com Rickon e Câo-Felpudo, comendo enguias, peixe e torta quente de caranguejo com o gordo Lorde Manderly. Ou talvez se aquecessem na Ultima Lareira, diante das fogueiras do Grande-Jon. Mas a vida de Bran transformara-se em dias infinitos e gelados nas costas de Hodor, subindo e des¬cendo em seu cesto as vertentes de montanhas.
    - Para cima e para baixo - suspirava às vezes Meera enquanto caminhavam - e de¬pois para baixo e para cima. E depois outra vez para cima e para baixo. Detesto estas suas malditas montanhas, Príncipe Bran.
    - Ontem disse que as adorava.
    - Ah, e adoro. O senhor meu pai tinha me falado de montanhas, mas nunca tinha visto nenhuma até agora. Adoro-as mais do que consigo expressar.
    Bran fez uma careta para ela.
    - Mas acabou de dizer que as detestava.
    - Por que é que não pode ser as duas coisas? - Meera esticou a mão para apertar o nariz de Bran.
    - Porque são coisas diferentes - insistiu ele. - Como a noite e o dia, ou o gelo e o fogo,
    - Se o gelo pode queimar - disse Jojen em sua voz solene -, então o amor e o ódio podem se juntar. Montanha ou pântano, não importa. A terra é só uma.
    - Uma - concordou a irmã mas enrugada demais.
    Os vales de altitude raramente lhes faziam o favor de correr de norte para sul, de modo que era freqüente verem-se seguindo ao longo de léguas na direção errada, e às vezes eram forçados a voltar.
    - Se tivéssemos seguido a estrada do rei, a esta alutra já poderíamos estar chegando à Muralha - Bran costumava lembrar aos Reed. Queria encontrar o corvo de três olhos, para poder aprender a voar. Repetira isso meia centena de vezes, até que Meera começou a caçoar dele, proferindo as palavras ao mesmo tempo que ele. - Se tivéssemos seguido a estrada do rei também não teríamos tanta fome - começou então a dizer.
    Lá embaixo, nas colinas, não tinham tido falta de alimentos. Meera era uma boa caça- dora, e melhor ainda em arrancar peixes dos riachos com a sua lança de três dentes para caçar rãs.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:11 am

    Bran gostava de observá-la, admirando a sua rapidez, o modo como arremessa¬va a lança e a puxava de volta com uma truta prateada contorcendo-se na ponta. E tam¬bém tinham Verão para caçar para eles. O lobo gigante desaparecia quase todas as noites quando o sol se punha, mas estava sempre de volta antes do nascer do dia, normalmente com alguma coisa nas mandíbulas, um esquilo ou uma lebre.
    Mas ali, nas montanhas, os riachos eram menores e gelados, e a caça, mais escassa. Meera ainda caçava e pescava quando podia, mas era mais difícil, e certas noites nem o Verão encontrava presas. Era freqüente irem dormir de barriga vazia.
    Mas Jojen continuava teimosamente determinado a permanecer bem longe das estradas.
    - Onde você encontra estradas, encontra viajantes - dizia, com aquela sua maneira de falar e os viajantes têm olhos para ver e bocas para espalhar histórias sobre o rapaz aleijado, seu gigante e o lobo que caminha com eles. - Ninguém era capaz de ser tão tei¬moso quanto Jojen, portanto avançavam com dificuldade por território bravio, e todos os dias iam um pouco mais alto, e caminhavam um pouco mais para o norte.
    Havia dias em que chovia, outros eram ventosos, e uma vez foram pegos por uma sa¬raivada tão forte que até Hodor berrou de medo. Nos dias sem nuvens, freqüentemente tinham a impressão de que eram as únicas criaturas vivas no mundo inteiro.
    - Ninguém vive aqui em cima? - perguntou certa vez Meera Reed, enquanto rodea¬vam um maciço de granito tão grande quanto Winterfell.
    - Há gente - disse-lhe Bran. - Os Umber vivem principalmente a leste da estrada do rei, mas pastoreiam suas ovelhas nos prados de altitude durante o verão. Há os Wull a oeste das montanhas ao longo da Baía de Gelo, os Harclay atrás de nós, nas colinas, e os Knott, Liddle e Norrey e até alguns Flint aqui em cima, nas zonas altas. - A mãe da mãe de seu pai fora uma Flint das montanhas. A Velha Ama certa vez dissera que era o sangue dessa antepassada que levou Bran a gostar tanto de escalar antes da queda. Mas ela tinha morrido muitos, e muitos e muitos mais anos antes de ele nascer, até antes do pai nascer,
    - Wull? - disse Meera. - Jojen, não houve um Wull que acompanhou o pai durante a guerra?
    - Theo Wull - Jojen ofegava devido à subida. - Costumavam chamá-lo de Baldes,
    - É o símbolo deles - disse Bran. - Três baldes marrons sobre azul, com um bordado de xadrez branco e cinza. Lorde Wull veio uma vez a Winterfell, para prestar vassalagem e conversar com o pai, e ele tinha os baldes no escudo. Mas não é um verdadeiro lorde. Bem, é, mas chamam-no só de o Wull, e há também o Knott, o Norrey e o Liddle. Em Winterfell, nós os chamávamos de lordes, mas seus povos não os chamam.
    Jojen Reed parou para recuperar o fôlego.
    - Acha que essa gente das montanhas sabe que estamos aqui?
    - Eles sabem. - Bran avistara-os observando; não com os próprios olhos, mas com os olhos mais sensíveis de Verão, que deixavam escapar muito pouco. - Não nos incomoda¬rão se não tentarmos fugir com suas cabras ou cavalos.
    E não incomodaram. Só uma vez encontraram um membro do povo da montanha, quando uma súbita carga de água gelada tinha feito com que buscassem abrigo. Verão encontrou-o por eles, farejando uma gruta pouco profunda por trás dos ramos cinza- ^esverdeados de uma altaneira árvore sentinela, mas quando Hodor se abaixou sob a sa¬liência rochosa, Bran viu o clarão alaranjado de uma fogueira mais para trás e compreen¬deu que não estavam sós.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:11 am

    - Entrem e aqueçam-se - chamou uma voz. - Há pedra suficiente para manter a chuva afastada de todas as nossas cabeças.
    O homem ofereceu-lhes bolos de aveia e morcela e um gole da cerveja que trazia num odre, mas não lhes disse o nome; e também não perguntou o deles. Bran achou que devia ser um Liddle. O broche que prendia seu manto de pele de esquilo era de ouro e bronze, trabalhado em forma de pinha, e os Liddle usavam pinhas na metade branca de seus es¬cudos verde e branco.
    - Aqui é longe da Muralha? - perguntou-lhe Bran enquanto esperavam que a chuva parasse.
    - Não muito para o voo do corvo - disse o Liddle, se é que ele era tal coisa. - Mais longe, para aqueles que não têm asas.
    Bran então começou:
    - Aposto que já estaríamos lá se...
    -... tivéssemos seguido a estrada do rei - concluiu Meera com ele.
    O Liddle puxou uma faca e começou a desbastar um pedaço de madeira.
    - Quando havia um Stark em Winterfell, uma donzela podia percorrer a estrada do rei usando o vestido do dia de seu nome e nada sofrer, e os viajantes encontravam fogo, pão e sal em muitas estalagens e castros. Mas agora as noites são mais frias, e as portas estão fechadas. Há lulas na mata de lobos, e homens esfolados percorrem a estrada do rei, perguntando por forasteiros.
    Os Reed trocaram um olhar,
    - Homens esfolados? - perguntou Jojen.
    - Os rapazes do Bastardo, ora. Ele tava morto, mas agora não tá. E paga bom dinhei¬ro por pele de lobos, segundo um homem ouviu dizer, e talvez até ouro por notícias de certos outros mortos que andam. - Olhou para Bran quando disse aquilo, e para Verão, que estava estendido ao seu lado. - Quanto a essa Muralha - prosseguiu o homem -, aão é lugar para onde eu iria. O Velho Urso levou a Patrulha para a floresta assombrada, e tudo que voltou foram seus corvos, quase sem trazer nenhuma mensagem. Asas escuras, palavras escuras, dizia a minha mãe, mas parece-me que quando os pássaros voam cala¬dos, isso é ainda mais sombrio. - Atiçou o fogo com o pedaço de madeira. - Era diferen¬te quando havia um Stark em Winterfell. Mas o velho lobo tá morto e o novo foi para o sul jogar o jogo de tronos, e tudo que nos resta são os fantasmas.
    - Os lobos voltarão - disse solenemente Jojen.
    - E como é que você sabe, rapaz?
    - Sonhei com isso.
    - Há noites em que sonho com a minha mãe, que enterrei há nove anos - disse o ho¬mem -, mas, quando acordo, ela não voltou pra junto de nós.
    - Há sonhos e sonhos, senhor.
    - Hodor - disse Hodor,
    Passaram aquela noite juntos, pois a chuva não cedeu até bem depois de escurecer, e só Verão parecia querer abandonar a gruta. Quando a fogueira se reduziu a brasas, Bran deixou-o ir. O lobo gigante não sentia a umidade como as pessoas, e a noite chamava-o. O luar pintava os bosques molhados em tons de prata e tornava brancos os picos cinzen¬tos. Corujas piavam na escuridão e voavam silenciosamente entre os pinheiros, enquan¬to cabras brancas se

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:11 am

    deslocavam pelos flancos das montanhas, Bran fechou os olhos e entregou-se ao sonho de lobo, aos cheiros e sons da meia-noite.
    Quando acordaram na manhã seguinte, a fogueira tinha se apagado e o Liddle havia desaparecido, mas deixou-lhes uma morcela e uma dúzia de bolos de aveia bem embru¬lhados num pano verde e branco. Alguns bolos tinham pinhões misturados na massa e outros, amoras-pretas. Bran comeu um de cada, e não conseguiu decidir de qual tinha gostado mais. Um dia voltaria a haver Stark em Winterfell, disse a si próprio, e então mandaria chamar os Liddle e pagaria cem vezes por cada pinhão e amora.
    A trilha que seguiam era um pouco mais fácil naquele dia e, pelo meio-dia, o sol sur¬giu numa clareira entre as nuvens. Bran sentiu-se quase satisfeito, sentado em seu ces¬to às costas de Hodor. Cochilou um pouco, embalado pelo balanço regular dos passos do grande cavalariço e pelo suave cantarolar que ele às vezes soltava quando caminhava. Meera acordou-o com um ligeiro toque no braço.
    - Olhe - disse ela, apontando para o céu com sua lança de caçar rãs -, uma águia.
    Bran levantou a cabeça e viu-a, com asas cinzentas abertas e imóveis, como se flutuas¬sem no vento. Seguiu a ave com os olhos enquanto ela subia aos círculos, perguntando a si mesmo como seria pairar pelo mundo afora com tal ausência de esforço. Ainda melhor do que escalar. Tentou alcançar a águia, abandonar seu estúpido corpo aleijado e subir ao céu para se juntar a ela como fazia com Verão. Os videntes verdes conseguiam fazer isso. Eu também devia ser capaz. Tentou e tentou, até que a águia desapareceu na bruma dourada da tarde.
    - Sumiu - disse, desapontado.
    - Ainda vamos ver outras - Meera falou. - Elas vivem aqui em cima.
    - Suponho que sim.
    - Hodor - disse Hodor.
    - Hodor - concordou Bran.
    Jojen deu um chute numa pinha.
    - Parece que o Hodor gosta quando diz o nome dele,
    - Hodor não é o verdadeiro nome dele - explicou Bran. - E só uma palavra qualquer que ele diz. A Velha Ama disse-me que seu verdadeiro nome é Walder. Ela era avó da avó dele, ou qualquer coisa do gênero. - Falar da Velha Ama entristecia-o. - Acha que os homens de ferro a mataram? - Não tinham visto o corpo dela em Winterfell. Não se lembrava de ver nenhuma mulher morta, agora que pensava nisso. - Ela nunca fez mal a ninguém, nem mesmo a Theon. Só contava histórias. Theon não ia fazer mal a alguém assim. Certo?
    - Algumas pessoas machucam outras só porque podem fazer isso - disse Jojen.
    - E não foi Theon quem fez a matança em Winterfell - disse Meera. - Muitos dos mortos eram homens de ferro. - Passou a lança para a outra mão. - Lembre-se das his¬tórias da Velha Ama, Bran. Lembre-se da maneira como ela as contava, do som da voz dela. Enquanto se lembrar, parte dela estará sempre viva em você.
    - Vou me lembrar - prometeu ele. Subiram em silêncio durante muito tempo, seguindo uma trilha de animais cheia de curvas ao longo da passagem elevada entre dois picos pedre¬gosos. Pinheiros marciais esqueléticos agarravam-se às vertentes em volta deles. Bem mais à frente Bran viu a cintilação gelada de um rio que caía pelo fianco de uma montanha. Deu por si escutando o ruído da respiração de Jojen e o som quebradiço das agulhas de pinheiro sob os pés de Hodor. - Sabem histórias? - perguntou de repente aos Reed.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:12 am

    Meera soltou uma gargalhada.
    - Ah, algumas.
    - Algumas - admitiu o irmão.
    - Hodor - disse Hodor, cantarolando.
    - Podiam contar uma - disse Bran, - Enquanto caminhamos. O Hodor gosta de histórias sobre cavaleiros. Eu também gosto.
    - Não há cavaleiros no Gargalo - disse Jojen.
    - Por cima da água - corrigiu a irmã. - Mas os pântanos estão cheios de cavaleiros mortos,
    - Isso é verdade - disse Jojen. - Andalos e homens de ferro, Frey e outros tolos, todos os orgulhosos guerreiros que tentaram conquistar a Água Cinzenta. Nem um conseguiu encontrá-la. Entram no Gargalo mas não conseguem sair. E mais cedo ou mais tarde tro¬peçam nos pântanos, afundam-se sob o peso de todo aquele aço e afogam-se lá, em suas armaduras.
    A imagem de cavaleiros afogados debaixo d agua fez Bran arrepiar-se. Mas não levan¬tou objeções; gostava dos arrepios.
    - Houve um cavaleiro - disse Meera - no ano da Falsa Primavera. Chamavam-no de Cavaleiro da Árvore que Ri. Esse pode ter sido um cranogmano.
    - Ou não. - O rosto de Jojen estava salpicado de sombras verdes. - Tenho certeza de que o Príncipe Bran já ouviu essa história uma centena de vezes.
    - Não - disse Bran. - Não ouvi. E, se tivesse ouvido, não me importaria. Às vezes, a Velha Ama voltava a contar as mesmas histórias, mas nós nunca nos importávamos, des¬de que fossem boas, Ela costumava dizer que as velhas histórias são como velhos amigos. Temos de visitá-las de vez em quando.
    - Isso é verdade. - Meera caminhava com o escudo nas costas, afastando do caminho um ramo ou outro com a lança para rãs. Bem quando Bran já começava a achar que ela não ia con¬tar a história, começou: - Num tempo muito distante houve um moço engraçado que vivia no Gargalo. Era pequeno como todos os cranogmanos, mas também era bravo, esperto e for¬te. Cresceu caçando, pescando e subindo nas árvores e aprendeu toda a magia do meu povo.
    Bran tinha quase certeza de que nunca ouvira aquela história.
    - Ele tinha os sonhos verdes, como o Jojen?
    - Não - disse Meera mas era capaz de respirar lama e correr sobre folhas e trans¬formar a terra em água e a água em terra só com uma palavra murmurada. Sabia falar com as árvores, tecer palavras e fazer castelos aparecerem e desaparecerem.
    - Gostaria de saber fazer isso - disse Bran em tom de lamento. - Quando é que ele conhece o cavaleiro da árvore?
    Meera fez-lhe uma careta.
    - Mais depressa, se um certo príncipe ficasse calado.
    - Estava só perguntando.
    - O rapaz conhecia as magias dos pântanos - prosseguiu ela -, mas queria mais. É que o nosso povo raramente viaja para longe de casa. Somos gente pequena, e nossos cos¬tumes parecem estranhos para certas pessoas, de modo que as pessoas grandes nem sem¬pre nos tratam bem. Mas esse rapaz era mais ousado do que a maioria, e um dia, depois de chegar à idade adulta, decidiu que iria deixar os pântanos para visitar a Ilha das Caras.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:12 am

    - Ninguém visita a Ilha das Caras - questionou Bran. - E onde vivem os homens verdes.
    - Eram os homens verdes que ele queria encontrar. Portanto vestiu uma camisa com escamas de bronze cosidas a ela, como a minha, pegou um escudo de couro e uma lança de três dentes, como os meus, e desceu o Ramo Verde remando num pequeno barco de casco de couro.
    Bran fechou os olhos para tentar ver o homem em seu pequeno barco de casco de couro. Na sua cabeça, o cranogmano parecia-se com Jojen, só que mais velho e forte e vestido como Meera.
    - Passou por baixo das Gêmeas de noite, para que os Frey não o atacassem, e quando chegou ao Tridente, saiu do rio, pôs o barco na cabeça e começou a caminhar. Demorou muitos dias, mas por fim chegou ao Olho de Deus, atirou o barco no lago e remou até a Ilha das Caras.
    - E encontrou os homens verdes?
    - Sim - disse Meera -, mas essa é outra história, e não cabe a mim contá-la. O meu príncipe pediu cavaleiros.
    - Homens verdes também são bons.
    - São mesmo - concordou ela, mas nada mais disse sobre eles. - O cranogmano ficou na ilha durante todo esse inverno, mas quando a primavera desabrochou, ouviu o grande mundo a chamá-lo e soube que era hora de partir. Seu barco de couro estava exa¬tamente no local onde o deixara, por isso fez suas despedidas e remou para terra firme. Remou e remou, e por fim viu as distantes torres de um castelo erguendo-se junto ao lago. As torres subiam cada vez mais, à medida que ia se aproximando da margem, até que ele percebeu que aquele devia ser o maior castelo do mundo inteiro.
    - Harrenhal! - compreendeu Bran de imediato, - Era Harrenhal!
    Meera sorriu.
    - Seria? À sombra das suas muralhas viu tendas de muitas cores, brilhantes estandartes balançando ao vento, e cavaleiros vestidos de cota de malha ou de placas de aço e montados em cavalos couraçados. Sentiu o cheiro de carne assando e ouviu o som de risos e o clangor das trombetas dos arautos. Um grande torneio estava prestes a começar, e tinham vindo campeões de todo o território para conquistá-lo. O próprio rei encontrava-se presente, com seu filho, o príncipe-dragão. As Espadas Brancas tinham vindo, para receber um novo irmão em suas fileiras. O senhor da tempestade andava por lá, bem como o senhor da rosa. O grande leão do rochedo ti¬nha brigado com o rei e acabou se mantendo afastado, mas muitos de seus vassalos e cavaleiros compareceram mesmo assim. O cranogmano nunca vira tamanha pompa, e sabia que talvez nunca mais voltaria a ver coisa igual. Parte de si nada mais desejava do que participar daquilo.
    Bran conhecia bastante bem essa sensação. Quando era pequeno, só sonhava em ser um cavaleiro. Mas isso fora antes de cair e perder as pernas,
    - A filha do grande castelo reinava como rainha do amor e da beleza quando o tor¬neio começou. Cinco campeões tinham jurado defender a sua coroa; seus quatro irmãos de Harrenhal e seu tio famoso, um cavaleiro branco da Guarda Real.
    - Era uma donzela bela?

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:12 am

    - Era - disse Meera, saltando sobre uma pedra -, mas havia outras ainda mais belas. Uma era a esposa do príncipe-dragão, que havia trazido uma dúzia de damas de companhia para servi-la. Todos os cavaleiros lhe suplicavam favores para atar em volta de suas lanças.
    - Isso não vai ser uma daquelas histórias de amor, não é? - perguntou Bran, descon¬fiado. - O Hodor não gosta lá muito dessas.
    - Hodor - disse Hodor, concordando.
    - Ele gosta das histórias em que os cavaleiros lutam com monstros.
    - As vezes os monstros são os cavaleiros, Bran. O pequeno cranogmano caminhava pelo campo, desfrutando do dia quente de primavera e sem fazer mal a ninguém, quando foi atacado por três escudeiros, Nenhum deles tinha mais de quinze anos, mesmo assim eram maiores do que ele, todos os três. Do modo como viam as coisas, aquele mundo era deles, e o cranogmano não tinha o direito de estar lá. Roubaram sua lança e atiraram-no ao chão, e o chamaram de papa-rãs,
    - Eram Walder? - parecia algo que o Pequeno Walder Frey poderia ter feito.
    - Nenhum deles disse o nome, mas ele guardou bem seus rostos na memória, para que pudesse se vingar mais tarde. Derrubaram-no toda vez que tentou se levantar, e chutaram-no quando se enrolou sobre si mesmo no chão. Mas então ouviram um rugido. "Esse que chutam é vassalo de meu pai", uivou a loba.
    - Uma loba com quatro patas, ou com duas?
    - Duas - disse Meera. - A loba meteu-se no meio dos escudeiros com uma espada de torneio, fazendo-os debandar. O cranogmano estava machucado e ensangüentado, por isso ela levou-o para a sua toca, para limpar as feridas e cobri-las com linho. Aí, ele co¬nheceu os irmãos de matilha dela: o lobo selvagem que os liderava, o lobo calado ao seu lado e o lobinho que era o mais novo dos quatro.
    "Nessa noite, haveria um banquete em Harrenhal, para anunciar a abertura do tor¬neio, e a loba insistiu em que o rapaz comparecesse. Ele era de elevado nascimento, com tanto direito a um lugar no banco como qualquer outro homem. Não era fácil contrariar aquela donzela-lobo, e assim ele deixou que o jovem lobinho lhe arranjasse um traje ade¬quado para um banquete real e dirigiu-se ao grande castelo.
    "Comeu e bebeu sob o teto de Harren, com os lobos e também com muitas das espa¬das a eles juramentadas, homens das terras acidentadas, e também alces, ursos e tritões. O príncipe-dragão cantou uma canção tão triste que fez a donzela-lobo soluçar, mas quando o seu irmão lobinho caçoou dela por chorar, ela derramou vinho na cabeça dele. Um irmão negro interveio, pedindo aos cavaleiros para se juntarem à Patrulha da Noite. O senhor da tempestade derrotou o cavaleiro dos crânios e beijos numa batalha de copos de vinho. O cranogmano viu uma donzela com sorridentes olhos púrpuras dançando com uma espada branca, uma serpente vermelha e o senhor dos grifos, e por fim com o lobo silencioso... mas só depois que o lobo selvagem falou com ela em nome do irmão, que era tímido demais para sair de seu banco.
    "No meio de toda aquela alegria, o pequeno cranogmano vislumbrou os três escu¬deiros que o tinham atacado. Um deles servia um cavaleiro forquilha; outro, um porco- -espinho, enquanto o terceiro assistia um cavaleiro com duas torres em seu sobretudo, um símbolo que todos os cranogmanos conhecem bem."
    - Os Frey - disse Bran. - Os Frey da Travessia.

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:12 am

    - Então, assim como agora - concordou ela. - A donzela-lobo também os viu e mostrou-os aos irmãos. "Podia arranjar-lhe um cavalo e uma armadura que tal¬vez servisse", ofereceu o lobinho, O pequeno cranogmano agradeceu, mas não res¬pondeu. Tinha o coração dividido. Os cranogmanos são menores do que a maioria dos homens, mas igualmente orgulhosos. O rapaz não era cavaleiro, nenhum dos seus era. Sentamo-nos mais freqüentemente num barco do que num cavalo, e nossas mãos são feitas para remos, não para lanças. Por mais que desejasse obter sua vin¬gança, temia não fazer mais do que papel de bobo, envergonhando seu povo. O lobo silencioso ofereceu ao pequeno cranogmano um lugar em sua tenda naquela noite, mas este, antes de dormir, ajoelhou-se na margem do lago, olhando por sobre a água para onde a Ilha das Caras deveria estar, e proferiu uma prece aos deuses antigos do Norte e do Gargalo...
    - Seu pai nunca lhe contou essa história? - perguntou Jojen.
    - Era a Velha Ama quem contava histórias. Meera, continue, não pode parar aí.
    Hodor devia sentir o mesmo.
    - Hodor - disse, e depois: - Hodor hodor hodor hodor.
    - Bem - disse Meera -, se quer ouvir o resto...
    - Sim. Conte.
    - Estavam planejados cinco dias de justas - disse ela. - Também haveria uma grande luta corpo a corpo entre sete equipes, e torneios de tiro ao alvo e arremesso de machados, uma corrida de cavalos e um torneio de cantores...
    - Isso tudo não interessa. - Bran contorceu-se impacientemente no cesto que o pren¬dia às costas de Hodor, - Conte o que aconteceu nas justas.
    - As ordens de meu príncipe. A filha do castelo era a rainha do amor e da beleza, com quatro irmãos e um tio para defendê-la, mas todos os quatro filhos de Harrenhal foram derrotados no primeiro dia. Os vencedores tiveram breves reinados como campeões, até serem, por sua vez, derrotados. Aconteceu que, no fim do primeiro dia, o cavaleiro do porco-espinho conquistou um lugar entre os campeões, e na manhã do segundo dia o cavaleiro da forquilha e o cavaleiro das duas torres também saíram vitoriosos. Mas, ao fim da tarde desse segundo dia, quando as sombras se tornavam longas, um misterioso cavaleiro surgiu na liça.
    Bran assentiu com a cabeça, com ar sabedor. Cavaleiros misteriosos apareciam fre-qüentemente nos torneios, com elmos que escondiam seus rostos, e escudos ora vazios ora ostentando um símbolo estranho qualquer. Às vezes eram campeões famosos sob disfarce. O Cavaleiro do Dragão certa vez ganhara um torneio como o Cavaleiro das Lágrimas, para poder nomear a irmã rainha do amor e da beleza no lugar da amante do rei. E Barristan, o Ousado, vestiu por duas vezes uma armadura de cavaleiro misterioso, a primeira quando tinha apenas dez anos,
    - Aposto que era o pequeno cranogmano.
    - Ninguém soube - disse Meera -, mas o cavaleiro misterioso era de baixa estatura e usava uma armadura que mal lhe servia, feita de partes avulsas. O símbolo que trazia no escudo era uma árvore-coração dos velhos deuses, um represeiro branco com uma cara vermelha sorrindo.
    - Talvez tenha vindo da Ilha das Caras - disse Bran. - Era verde? - Nas histórias da Velha Ama, os guardiães tinham pele verde-escura e folhas no lugar dos cabelos. As vezes também

    Admin
    Admin

    Mensagens : 1409
    Data de inscrição : 09/04/2012

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Admin em Ter Abr 10, 2012 10:12 am

    tinham chifres, mas Bran não via como o cavaleiro misterioso poderia ter usado um elmo se tivesse chifres. - Aposto que foram os deuses antigos que o enviaram.
    - Talvez tenham sido. O cavaleiro misterioso saudou o rei com a lança e dirigiu-se para o fim da liça, onde os cinco campeões tinham seus pavilhões. Sabe quais foram os três que ele desafiou.
    - O cavaleiro do porco-espinho, o cavaleiro da forquilha e o cavaleiro das torres gê¬meas. - Bran ouvira histórias suficientes para saber isso. - Era o pequeno cranogmano, bem que eu disse.
    - Fosse quem fosse, os deuses antigos deram força ao seu braço, O cavaleiro do porco-espinho foi o primeiro a cair, seguido pelo da forquilha e, por fim, o das duas torres foi derrubado. Nenhum deles era apreciado, por isso os plebeus aplaudiram vigorosamente o Cavaleiro da Arvore que Ri, nome pelo qual o novo campeão co¬meçou rapidamente a ser conhecido. Quando seus adversários caídos procuraram resgatar cavalos e armaduras, o Cavaleiro da Arvore que Ri falou numa voz trovejan¬te através do elmo:"Ensinem honra aos seus escudeiros, isso será um resgate suficiente". Depois de os cavaleiros derrotados terem punido severamente os escudeiros, seus cavalos e armaduras foram restituídos. E, assim, as preces do pequeno cranogmano foram atendidas.,, pelos homens verdes, pelos deuses antigos ou pelos filhos da flo¬resta, quem saberá?
    Era uma boa história, decidiu Bran depois de pensar nela por um momento ou dois.
    - O que aconteceu depois? O Cavaleiro da Arvore que Ri ganhou o torneio e se casou com uma princesa?
    - Não - disse Meera, - Nessa noite, no grande castelo, tanto o senhor da tempesta¬de como o cavaleiro dos crânios e dos beijos juraram que iriam desmascará-lo, e o pró¬prio rei exortou os homens a desafiá-lo, declarando que o rosto por trás do elmo não era seu amigo. Mas, na manhã seguinte, quando os arautos sopraram suas trombetas e o rei ocupou seu lugar, só dois campeões apareceram. O Cavaleiro da Arvore que Ri tinha desaparecido. O rei ficou furioso, e até mandou o filho, o príncipe-dragão, procurar o homem, mas tudo que encontraram foi seu escudo pintado, abandonado, pendendo de uma árvore. No fim, foi o príncipe-dragão que ganhou o torneio.
    - Oh. - Bran refletiu um pouco acerca da história. - Foi uma boa história, Mas, em vez dos escudeiros, os três cavaleiros maus deviam ter machucado o homem. Então, o pequeno cranogmano poderia ter matado os três. A parte dos resgates é estúpida. E o cavaleiro misterioso devia ter ganhado o torneio, derrotando todos os que o desafiassem, e nomeado a donzela-lobo rainha do amor e da beleza.
    - Ela foi nomeada - disse Meera mas essa é uma história mais triste.
    - Tem certeza de que nunca ouviu essa história antes, Bran? - perguntou Jojen. - O senhor seu pai nunca a contou para você?
    Bran sacudiu a cabeça. O dia já estava acabando a essa altura, e longas sombras ras¬tejavam pelos flancos das montanhas, enviando dedos negros por entre os pinheiros.
    Se o pequeno cranogmano pôde visitar a Ilha das Caras, eu talvez também possa. Todas as histórias concordavam em que os homens verdes possuíam estranhos poderes má¬gicos. Talvez pudessem ajudá-lo a voltar a andar, ou até a transformá-lo num cavaleiro. Transformaram o pequeno cranogmano num cavaleiro, mesmo que só por um dia, pensou. Um dia seria suficiente.

    Conteúdo patrocinado

    Re: Parte 2 3 realm

    Mensagem  Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Seg Jun 26, 2017 8:06 am